Cevap/Unesp-Botucatu inaugura a Pedra Fundamental da Fábrica de Amostras de Medicamentos para Pesquisa Clínica

 

Local vai desenvolver, desde o início da pesquisa até o resultado final, importantes fármacos que serão utilizados na saúde pública. Evento, que contou com autoridades e pesquisadores internacionais, também marcou a abertura do 1º Simpósio de Pesquisa Clínica no Brasil

Foi realizada na manhã desta sexta-feira, 1º de dezembro, a abertura do 1st Symposium of Clinical Research in Brazil: Not for begginers – Challenges, innovation and entrepeneurship e o Lançamento da Pedra Fundamental da Fábrica de Amostras de Medicamentos para Pesquisa Clínica no Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos (Cevap) da Unesp, câmpus Botucatu.

A Fazenda do Lageado recebeu importantes autoridades e integrantes da Unesp, como o professor Carlos Frederico de Oliveira Graeff, pró-reitor de Pesquisa; o professor Rui Seabra Ferreira Junior, coordenador executivo do Cevap, professor Pasqual Barretti, diretor da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB); professor Carlos Antonio Caramori, coordenador do curso de Pós-graduação em Pesquisa Clínica da FMB; Camile Giaretta Sachetti, diretora do Departamento de Ciência e Tecnologia, Marcelo Strama, subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do São Paulo; Ricardo Antonio Barcelos, vice-diretor do Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde; o prefeito de Botucatu, Mário Pardini; Edimilson Ramos Migowski de Carvalho, diretor-presidente do Instituto Vital Brazil e o diretor executivo do Parque Tecnológico Botucatu, Carlos Alberto Costa. O deputado estadual Fernando Cury não pôde comparecer ao evento, mas enviou uma carta para deixar uma mensagem aos participantes do evento.

Entre as atividades, foi apresentado um vídeo (disponível aqui: https://youtu.be/sI2mVXDqxIY) ressaltando o trabalho da Unesp, com os diversos projetos científicos realizados pela Unidade de Pesquisa Clínica da Faculdade de Medicina de Botucatu (Upeclin), que disponibiliza uma grande infraestrutura para o desenvolvimento de todas as fases de ensaios clínicos de fármacos, procedimentos, equipamentos e dispositivos para diagnósticos, desde a descoberta até a aplicação, com uma abordagem multidisciplinar. O vídeo ainda destaca que em alguns casos, os estudos são voltados para aprimorar a saúde pública do país.

O prefeito Mario Pardini enfatizou a importância da fabricação do selante de fibrina, cuja pesquisa foi iniciada em Botucatu, no próprio Cevap. “O produto ajuda pessoas que sofrem com feridas de difícil cicatrização, as chamadas úlceras. E podemos citar também a geração de empregos com a construção da fábrica. Ela vai gerar desenvolvimento e inovação na pesquisa científica e médica e continua colocando a cidade na vanguarda do desenvolvimento tecnológico e da medicina”, afirmou.

Edmilson de Carvalho, do Instituto Vital Brazil, comentou que esse tipo de iniciativa demonstra que por trás das grandes conquistas há pessoas dedicadas e competentes. “E as autoridades aqui presentes apoiando esta iniciativa fazem a diferença. Quando eu era estudante, a minha maior frustração era que nem sempre eu via as pesquisas saírem da bancada para o leito. E essa fábrica vai fazer com que os produtos saiam também do solo para o leito, com produtos naturais. Botucatu não é apenas a cidade dos bons ares, mas de excelentes pessoas e ótimos pesquisadores”, afirmou.

Carlos Alberto Costa, diretor do Parque Tecnológico Botucatu, afirmou estar honrado em participar do momento. “O Cevap cumpre seu papel e objetivo, trazendo para nós oportunidades e criando uma plataforma sólida para o desenvolvimento de novos medicamentos, fazendo com que o processo, desde o seu início, como ideia de criação, seja completo, chegando até o mercado”, disse.

Ricardo Barcelos, vice-diretor do Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, frisou que a inauguração da fábrica seria um momento importante para a saúde pública do país. “A gente vê como o diálogo entre as instituições serve para a gente avançar, tanto na parte pública, como nas inciativas privadas para desenvolver um Brasil que dá certo”, afirmou.

Camile Sanchetti, diretora do Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, se disse honrada em estar em Botucatu pela segunda vez, em um projeto tão importante. “Eu acredito que não bastam apenas recursos públicos, mas uma boa gestão também faz a diferença. A gente fica muito mais tranquila ao ver uma equipe comprometida com projetos de sucesso, como foi com o selante de fibrina. E esse projeto é importante para todo o país”, ressaltou.

Carlos Caramori, coordenador do curso de Pós-graduação em Pesquisa Clínica da FMB, afirmou que a inovação de ideias mora num caminho que liga o sonho ao concreto. “Quando nós realizamos coisas, estamos transformando o que sonhamos em algo concreto. Mas é preciso acreditar. E esse grupo que aqui está, com o apoio de outros sonhadores, acreditava. Encontramos dificuldades e, como fruto delas, surgiram novas ideias. Ou seja, precisamos instalar um processo que faça tudo. Que consiga produzir medicamentos de interesse nacional, que possa produzir em lotes, que as indústrias muitas vezes não estão interessadas, e que isso possa ser aplicado em interesses públicos de populações e de doenças negligenciadas”, disse.

Marcelo Strama, subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do São Paulo, saudou a todos os presentes e lembrou-se de uma fala de Don Helder Câmara, que afirmou que quando sonhamos sozinho, ele é apenas um sonho, mas quando sonhamos em conjunto, ele se torna realidade. “É exatamente isso que vemos aqui. Pessoas sonhando com um projeto que trará benefícios para a sociedade, principalmente quando a gente aplica isso para a área da saúde. Eu fiquei tão apaixonado por esse projeto que eu disse que faria questão de estar aqui neste lançamento”, frisou.

Professor Rui Seabra, coordenador executivo do Cevap, se mostrou muito grato e se lembrou dos tempos de estudante e sua relação com a área científica. Relembrou conquistas com o selante de fibrina, a consolidação dos laboratórios de pesquisa, o reconhecimento mundial do periódico científico do Cevap, a consolidação da Unidade de Pesquisa Clínica da Faculdade de Medicina de Botucatu e a construção da fábrica de produtos de pesquisas clínicas. “Com um projeto audacioso e inovador, inclusive para os padrões internacionais de desenvolvimento biotecnológico, este ambiente irá proporcionar muito mais do que a formação e a capacitação de lideranças em pesquisa. No Cevap, pretendemos desenvolver métodos e produtos para atuar diretamente no complexo industrial da saúde, promovendo a implementação de parcerias público-privada no desenvolvimento tecnológico e na produção de produtos estratégicos para o Brasil”, afirmou, ao citar o Tratado de Gratidão, de São Tomás de Aquino, para agradecer a todos os envolvidos no desenvolvimento da fábrica.

Pasqual Barretti, diretor da FMB/Unesp, deu as boas-vindas a todos e destacou a presença de pesquisadores internacionais. “Nós vivemos um momento de grande instabilidade política e econômica e é muito bom ver a Universidade cumprir o seu papel no desenvolvimento científico e tecnológico e também estabelecendo parcerias nacionais e internacionais que tornam viáveis essas ações. Os produtos que serão desenvolvidos aqui certamente trarão diversos benefícios para a saúde pública”, afirmou.

Carlos Graeff, pró-reitor de Pesquisa da Unesp, representando o reitor da Universidade, professor Sandro Roberto Valentini, agradeceu a todos da mesa, assim como as autoridades presentes. “A Unesp vem crescendo, de modo contínuo, a sua produção científica. Estamos atingindo níveis de excelência em várias áreas do conhecimento e isso se deve ao trabalho de várias pessoas. Um dos grandes desafios da pesquisa nacional é que nos falta um maior impacto das nossas pesquisas. Com isso, a gente consegue uma internacionalização, e a presença de pesquisadores internacionais mostra que estamos no caminho certo. Outro grande desafio é trazer a pesquisa básica para os produtos efetivos para a população e nós estamos aqui representando um potencial de utilização de pesquisa de forma muito efetiva. A Faculdade de Medicina de Botucatu é uma referência nacional de pesquisa e ensino e unir estas duas áreas num nível mais elevado está claramente sendo efetivado”, disse, agradecendo também ao Ministério da Saúde pelo apoio financeiro.

Ao lado da Pedra Fundamental, Rui ressaltou a importância do momento. “Nós vivemos desafios diários e não podemos abaixar a cabeça. Nós recebemos ‘não’ desde que nos conhecemos por gente, mas vamos achando o nosso caminho e seguindo em frente”, contou. O professor ainda disse esperar que os alunos sintam-se motivados a desenvolver pesquisas para alavancar ainda mais o sucesso do projeto.

A professora Leslie Boyer, da Universidade do Arizona, disse estar muito honrada por participar do histórico evento e afirmou que, antigamente, haviam muitos empreendedores e poucas pessoas estudando os efeitos do veneno de cobra no ser humano. “E o Brasil foi praticamente o único. E ainda colocando empreendedores e pesquisadores lado a lado. O país acabou se tornando um exemplo para o resto do mundo por mais de cem anos nesta área. E esta fábrica será valiosa, não apenas para o país, mas para todo o mundo”, disse, ressaltando que vão ocorrer problemas e desafios, mas que eles serão superados e os estudantes terão honra de trabalhar e desenvolver pesquisar no local.

Fábrica de Medicamentos para uso em Pesquisa Clínica

Para a construção da Fábrica de Medicamentos para uso em Pesquisa Clínica serão gastos cerca de R$ 12 milhões. Serão 1.470 metros quadrados, com 4 alas divididas em 2 andares. No nível superior, haverá uma ala fabril e outra de controle de qualidade. No inferior, ficarão a administração, laboratórios de pesquisa, centro de Pesquisa e Desenvolvimento do Instituto Vital Brazil, administração e espaço co-working para biotech startups. O projeto foi desenvolvido pela arquiteta Camila Biondo Ambrozi, do Grupo Técnico de Investimento em Obras e Equipamentos da Assessoria de Planejamento e Orçamento. O Grupo também é responsável pelos projetos complementares e pela maquete eletrônica que foi apresentada no vídeo do evento.

Entre as produções da fábrica, estará o selante de fibrina, uma espécie de cola biológica, desenvolvido a partir de uma enzima presente no veneno da cascavel e uma substância presente no sangue de grandes animais, que serve para reduzir ou deter hemorragias em cirurgias cardiovasculares, hepáticas, ortopédicas e neurocirurgias.

1st Symposium of Clínical Research: not for beginners

O 1st Symposium of Clínical Research: not for beginners foi realizado em 1 e 2 de dezembro, nas dependências do Cevap e no Salão Nobre da FMB. O evento vai abordar temas para modificações de conceitos e paradigmas locais, regionais e nacionais, comuns a todos os profissionais da área de saúde e correlatas.

As mesas redondas abordaram assuntos como os aspectos do cenário da pesquisa clínica nacional; os grandes desafios mundiais; o empreendimento nacional; o desenvolvimento de habilidades específicas; e os novos modelos de cooperação. (4Toques – Assessoria de Comunicação e Imprensa)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório preenchimento do campo *

*