Megaempreendimento da GMH no Brasil: prefeito Cachetão participa em Jaguariaíva-PR, de reunião para implantação de granjas avícolas nesta região São Paulo/Paraná

 

Buscando a promoção de emprego e renda, conseqüentemente a melhoria na qualidade de vida da população de Itaporanga, o prefeito Vilson Aparecido Rodrigues “Cachetão” participou na Associação Comercial de Jaguariaíva (PR) juntamente com o diretor-presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasileira (CCIBRA), Ghassan Saab, o prefeito de Jaguariaíva, Juca, os prefeitos Guilherme Gomes (Riversul), Helinton do Valle (Itararé) e os prefeitos dos municípios paranaenses de Ventania, Wenceslau Braz, Arapoti, Doutor Ulysses, Siqueira Campos e outros, de uma reunião sobre o complexo avícola que está em construção na cidade paranaense.

De acordo com Cachetão, no dia seis de dezembro do ano passado foi lançada a pedra fundamental para início das obras do complexo avícola de Jaguariaíva (PR), que é um megaempreendimento da General Mediterranean Holding SA (GMH), do setor alimentício que movimentará um investimento de aproximadamente US$ 500 milhões, cerca de R$ 1,7 bilhões, em toda a região. A empresa tem o interesse de abater 400 mil frangos/dia, e nosso desejo é participar deste projeto oferecendo a matéria-prima, que é o frango. Isso será sem dúvidas mais uma boa opção de renda para o produtor rural”, explica o prefeito.

O complexo industrial necessitará de 1,2 mil granjas, que terá um investimento médio de R$ 750 mil cada, financiado pelo grupo investidor. A próxima fase será preencher o cadastro dos produtores rurais interessados em participar do projeto. O funcionamento do complexo está previsto para junho de 2018.

O projeto em Jaguariaíva da General Mediterranean Holding SA (GMH), que tem sede em Luxemburgo (Europa Ocidental), terá granja de recria, granja de produção de ovos, incubatório, fábrica de ração, integração/terminação e fábrica-abatedouro.
Ao todo, o investimento será de R$ 1,7 bilhão, gerando 1,4 mil empregos diretos, além de milhares de vagas indiretas. As obras devem começar no início de 2017 e a expectativa é de que o complexo esteja funcionando em dois anos.