Alerta máximo: HC/Unesp se prepara para epidemia de dengue

Por iniciativa do Núcleo de Vigilância Epidemiológica (NVE) e Diretoria Clínica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (HCFMB) foi realizada, dia 5 de janeiro, reunião para discutir estratégias de enfrentamento à provável epidemia de dengue, prevista pela Secretaria Estadual de Saúde para os primeiros meses deste ano. Foram convidados representantes de serviços que terão atuação direta ou indireta no atendimento dos pacientes com suspeita de dengue, tais como Pronto Socorro, Moléstias Infecciosas, Clínica Médica, Divisão de Enfermagem e Laboratório Clínico, entre outros.


Dr. André Balbi, diretor clínico do HCFMB, conduziu a reunião salientando a importância de medidas serem tomadas para evitar que um aumento do número de pacientes com suspeita de dengue não prejudique o atendimento dos demais. “Precisaremos trabalhar em conjunto, avaliando as necessidades de cada momento. Como este processo é muito dinâmico, é fundamental que estejamos preparados para qualquer cenário possível”, destacou ele.

Em seguida, Dr Edmilson Ferreira de Carvalho, médico do NVE/CRIE – Centro de Referência em Imunobiológicos Especiais do HC – apresentou material informativo sobre a epidemiologia da doença, sinais e sintomas e as condutas a serem tomadas pelas equipes de saúde. “Será fundamental hierarquizar o atendimento desses pacientes, de modo que venham para o Hospital das Clínicas somente os casos mais graves. Contamos com o apoio das Prefeituras da região para que esta hierarquização no atendimento aconteça da melhor forma possível.

Foi acertado, ao final da reunião, que será constituído um grupo permanente de acompanhamento da dengue no HCFMB, cujos principais objetivos serão o treinamento dos profissionais de saúde, a monitorização dos casos atendidos e a resolução dos principais problemas envolvendo assistência às pessoas com dengue. O hospital ainda aguarda que as prefeituras da região proponham uma reunião. Nesse encontro seriam discutidos meios de se viabilizar um atendimento hierarquizado durante a suposta epidemia. (Assessoria de Comunicação e Imprensa da FMB/Unesp e HCFMB)
 
Compartilhar

Notícias relacionadas