Botucatu é cidade-sede da Fase Regional do Mapa Cultural

Neste ano Botucatu será a cidade-sede na expressão artística “Canto Coral” e “Teatro” da fase regional do Mapa Cultural Paulista, uma iniciativa da Secretaria de Estado da Cultura, realizado pela Abaçaí Cultura e Arte – Organização Social de Cultura.

O Mapa Cultural tem como objetivo identificar, valorizar e promover o intercâmbio da produção cultural no Estado de São Paulo, e ao mesmo tempo estimular a participação de seus municípios em atividades culturais. É um dos mais importantes projetos culturais de São Paulo do ponto de vista formativo, informativo e de circulação de artistas do interior do Estado. Nenhum estado brasileiro possui projeto parecido, podendo tornar-se referência nacional.

Durante a realização do evento serão selecionados artistas de 13 regiões administrativas do Governo do Estado para participar de atividades culturais distribuídas em quatro fases. Em todas elas os artistas que se destacam apresentam seus trabalhos, primeiro no município de origem, depois na região em que está inserido e, ao final, na fase estadual, apresentam-se na capital paulista.

São sete expressões artísticas: artes visuais, que compreende artes plásticas, desenho de humor e fotografia; vídeo; canto coral; música instrumental; literatura, que abrange conto, poema e crônica; dança e teatro.

Na modalidade canto coral, o Coral Municipal de Botucatu se apresentará para a comissão apreciadora, neste sábado (5), às 18 horas, no Teatro Gino Carbonari, no encerramento da sexta Conferência Municipal de Cultura.

O Coral Municipal foi o único representante da região apto para a fase regional. Para compor a comissão apreciadora, e não julgadora, estarão na cidade os profissionais: Domingos Sacco, Cristine Bello Guse e Danilo Stollagli. O encontro destes profissionais com o coral visa promover um bate-papo, um workshop com o grupo.

Na modalidade Teatro, Botucatu receberá os participantes que representarão as cidades de Bauru, Boracéia, Dois Córregos, Jaú, Lins e Pirajuí, além de um grupo da própria Cidade.  As apresentações gratuitas têm início na próxima segunda-feira (7) e prosseguem até quinta-feira (10), no Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci”, com sessões nos períodos da tarde e noite. A comissão apreciadora da expressão artística Teatro será composta pelos profissionais: Edu Silva, Cássio Castelan e Evill Rebouças.

Programação

Dia: 5 – Coral Municipal
Local: Teatro Gino Carbonari
Horário: 18 horas

O Coral Municipal "Cidade de Botucatu" está vinculado a Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal de Botucatu. Criado por Lei Municipal em 25 de novembro de 1987 tem como objetivo a intensificação e aprimoramento da vida cultural e musical do Município, além de valorizar e resgatar a produção musical da cidade e região.

Desde 1994 sob a regência da Prof. Márcia Furrier Guedelha Blasi, o Coral Municipal vem se tornando importante veículo de manifestação cultural do Município de Botucatu abrilhantando solenidades, festas de caráter cívico e religioso e executando um projeto especialmente desenvolvido, para estudantes denominado “Coral nas Escolas", que consiste em levar até os jovens a música praticada em conjunto e em seu maior grau de pureza: o "Canto a Capella".

Durante esse período contou com orientação de técnica vocal de Eloisa Baldin, cantora lírica do Theatro Municipal de São Paulo e Josely de Moraes Antônio, também cantora lírica e regente. O coral participa do Mapa Cultural Paulista desde sua primeira edição tendo participado da final em São Paulo por três vezes.

Dia: 7 – Quadrilha de Teatro Notívagos Burlescos – Botucatu
Local: Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci”
Horário: 20 horas

A quadrilha de Teatro Notívagos Burlescos, de Botucatu, com direção de Robert Coelho, apresenta o espetáculo “Fidélis”. No final dos anos sessenta, dois jornalistas da revista O Cruzeiro chegam a Botucatu para uma matéria sobre os mistérios e lendas de um morro tido como maldito. No local conhecem um frei capuchinho e suas teorias de que a América seria o continente perdido de Atlântida e que a formação rochosa conhecida como Gigante Adormecido ocultaria segredos sobre o lendário caminho do Peabiru e a passagem de Hércules por terras brasileiras.

Nos dias de hoje um grupo de teatro entra em crise ao tentar montar um espetáculo sobre o que realmente aconteceu durante a visita dos jornalistas. Num futuro não tão distante, um astronauta deixa o planeta em busca de respostas para as maiores questões de sua espécie: "quem somos? de onde viemos? para onde vamos?”.

Dia: 8 – Epifania – Jaú
Local: Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci”
Horário: 14 horas

O grupo Epifania, de Jaú, com direção de Luis Gustavo Gonçalves, apresenta o espetáculo “Asas ao vento”. O espetáculo narra à vida do “herói” nacional o comandante João Ribeiro de Barros, primeiro homem a fazer a travessia do Oceano Atlântico a bordo de um avião sem ajuda de embarcações. Este espetáculo visa divulgar essa história que infelizmente não é devidamente considerada como um feito de honras mundiais.

Dia: 8 – Trovamores –  Dois Córregos
Local: Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci”
Horário: 20 horas

O grupo Trovamores, de Dois Córregos, com direção de Maria Christina Cury, apresenta o espetáculo “Caipirologia”. No sítio de seu Ozonho, as coisas andam muito quentes, os filhos se desentendendo e sua esposa dona Terra, doente. Será que o doutor vai poder ajudá-los?

Dia: 9 – Cia o Céu Pode Esperar – Pirajuí
Local: Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci”
Horário: 20 horas

A Cia. O Céu Pode Esperar, com direção de Osmar Junior, apresenta o espetáculo “Gisele” que mostra de uma forma cômica, de liberdade incondicional livre de qualquer falso moralismo, onde se pode dizer o que todos pensam ou queriam dizer, mas não tem coragem.

Dia: 10 – Cia Alterarte, de Bauru
Local: Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci”
Horário: 14 horas

A Cia. Alterarte, de Bauru, com direção de Zé Francisco, apresenta o espetáculo "Tchau, nunca adeus" trata de um tributo ao poeta Thales Wagner Martini, através de sua obra fecunda e contundente interpretada e coreografada com a trilha sonora composta com músicas do cantor Taiguara, letras e melodias que o performer escolhera, e fundamentais em sua formação artística. A emoção e a sensibilidade, presentes no conjunto da proposta, possuem aproximadamente 30 minutos.

Dia: 10 – Cia Sereno na Flor, de Boracéia
Local: Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci”
Horário: 20 horas

A Cia. Sereno na Flor, de Boracéia, com direção de Regina Ramos, apresenta o espetáculo “Sereno na Flor”. Baseado na obra poética "Sereno na flor" de José Florêncio Pereira (com prefácio assinado por Monteiro Lobato), o espetáculo permeia a vida e o pensamento do autor. A montagem se configura como um mosaico onde várias fases da vida de José Florêncio Pereira coincidem com acontecimentos históricos e sociais vividos no início do século XX no Centro Oeste Paulista – Boracéia, Jaú, Pederneiras, Bariri – como as doenças e epidemias responsáveis pela morte de centenas de pessoas e a situação política da região.

O tom dramático do texto somado as diferentes manifestações lingüísticas, utilizadas na montagem, transmitem ao público as lutas e dificuldades enfrentadas pelo autor no cultivo do café, bem como evidencia a importância deste cultivo para riqueza e crescimento de toda a região do Tietê. Por fim, o espetáculo evoca a temática do amor e da perda na trajetória de José Florêncio. A dor e a angústia precoce de três esposas, vítimas das adversidades de seu tempo, marcou profundamente a percepção da vida no autor, que retratou em poemas de tom existencial sua condição.

Comissão Apreciadora – modalidade Canto Coral
 
Coronel Domingos Sacco – foi comandante geral da Banda da Polícia Militar da cidade de São Paulo e fundador da Banda Sinfônica da cidade de São Paulo. É considerado o grande fomentador de bandas na capital e por todo interior do estado de São Paulo. Recentemente foi condecorado pela Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo com a Medalha da Juventude por seus relevantes serviços prestados em prol dos jovens por suas orientações e implantações de bandas e fanfarras pelo Brasil.

Cristine Bello Guse  – é formada pelo Instituto de Artes da UNESP e mestre em Práticas Interpretativas pelo Programa de Pós-graduação da mesma Instituição, onde esteve sob a orientação da Profa. Dra. Martha Herr. Como solista atuou em diversas montagens operísticas tais como West Side Story, O Mikado, A Ópera dos três Vinténs, Rigoletto, La Traviata, Idomeneo e Orfeo ed Euridice. Também fez parte do ensemble do musical A Noviça Rebelde durante temporada em São Paulo. Desde 2009, faz parte do colegiado de professores de canto lírico do Conservatório Dramático Musical “Dr. Carlos de Campos” da cidade de Tatuí.

Danilo Stollagli – é bacharel em canto lírico pela Faculdade de Música Carlos Gomes (SP) e obteve orientação vocal de Benito Maresca. Em Milão/Itália, fez cursos de aperfeiçoamento em canto, música e língua italiana com Rita Patané e Maria Luisa Cioni (Teatro Alla Scala Di Milano). Em 2010 cantou árias e duetos de Carlos Gomes na Alemanha e em 2008 apresentou uma série de concertos Brasilianiche Nacht , na cidade de Bad Schwalbach. Integra o corpo de solistas convidados da companhia alemã “Opera Classica Europa” desde 2007 e vem se apresentando regularmente nos festivais promovidos por esta em diversas cidades da Europa. É integrante do Coral Paulistano do Theatro Municipal de São Paulo.

Comissão Apreciadora – Modalidade teatro

Edu Silva – ator, diretor, iluminador, cenógrafo e sonoplasta, com mais de 35 espetáculos em sua carreira. Fundador da Cia. PICNIC de Teatro, na qual pesquisa a linguagem clownesca e demais formas de teatro popular. Licenciado em Artes Cênicas, tem atuado como arte-educador e artista orientador em diversos projetos, como Ademar Guerra, Teatro Vocacional e oficinas culturais. Atualmente, além de sua companhia teatral, trabalha no Teatro Vocacional, preside o CONSORTE – ONG de teatro.

Cássio Castellan – ator, diretor, iluminador e professor de teatro, Cássio Castelan já trabalhou com Antunes Filho, Marcio Aurélio, Cristiane Paoli – Quito, Tische Vianna e, atualmente, é integrante do Teatro da Conspiração e artista – orientador do Programa Vocacional, da Secretaria de Cultura da cidade de São Paulo.

Cursou interpretação na Fundação das Artes de São Caetano do Sul e História do Teatro e Literatura Dramática, como aluno especial na ECA – USP.

Evill Rebouças – ator, diretor e dramaturgo. Graduado em Educação Artística e Mestre em Artes Cênicas pela UNESP, é artista orientador do Projeto Vocacional e professor da pós-graduação em Teatro da FAINC. Autor do livro “A dramaturgia e a encenação no espaço não convencional”, além de vários artigos sobre o tema.

Compartilhar

Notícias relacionadas