Câmara de Itapeva presta homenagem a um imigrante espanhol (pedreiro) que se radicou em 1953 no município e tornou-se empreendedor

O Plenário da Câmara aprovou projeto de decreto Legislativo, do vereador Roberto Comeron(DEM), que concede o Título de Cidadão Itapevense ao  Sr.  Narciso Ruben Rodrigues Iglesias, de 88 anos, que logo cedo, na Espanha , aprendeu a profissão de pedreiro. Ainda jovem, logo após o término da Segunda Guerral Mundial, com as dificuldades da Europa do pós-guerra, em 1950 vem tentar a sorte no Brasil, ficando inicialmente por dois anos em Santos e São Vicente onde construiu várias casas. Enquanto aprendia a língua portuguesa torna-se um empreendedor.

Em 1953 Narciso vem para Itapeva e dá continuidade aos empreendimentos, iniciando na área de mineração(cal). Mas, apesar da idade avançada, não para de trabalhar e enfrentar novos desafios. A entrega dessa homenagem ocorrerá em data a ser marcada.

 

Narciso Ruben Rodrigues Iglesias é filho de José Rodrigues Iglesias e Odila Rodrigues Iglesias, nasceu na cidade de Goyan, Distrito de Tomiño e Província de Pontevedra na Espanha. Nasceu no dia 18 de março de 1922, tem 88 anos.

Aos dez anos de idade já se aventurou a sair de sua casa e ir trabalhar de servente de pedreiro na cidade de Província de  Castilha e Leon a qual se situava a mais ou menos  400 km da sua cidade natal e lá permaneceu até os 16 anos quando já trabalhava como pedreiro para enviar dinheiro à sua mãe, pois possuía mais dois irmãos menores que se chamavam Celso Rodrigues Iglesias e Mário Rodrigues Iglesias.

Aos dezessete anos o empreendedor toma a iniciativa de trabalhar como  empreiteiro no ramo da construção civil prestando serviços para particulares nas cidades e fazendas na redondeza da cidade de Burgos, e já possuía uma equipe composta  de pedreiros e serventes.

Aos vinte e um anos  participa de uma licitação pública das Renfe – Rede de Ferrovias Espanholas vindo a ser o vencedor.

No ano de 1944, após o término da Guerra Civil Espanhola e em plena II Guerra Mundial é convocado para servir o Exército na cidade de Ferrol onde permaneceu por dois anos e meio.

 Após esse período pede licença do exército, sendo esta concedida em função dos serviços prestados e volta a trabalhar como empreiteiro na construção civil na cidade de Burgos até o ano de 1949, quando  toma a decisão de vir ao Brasil para tentar melhorar a sua situação, pois na Espanha não era propício ao seu crescimento como empreendedor, pois estava em período de ditadura.

Chega ao Brasil no dia 18 de março de 1950 e começa a trabalhar como pedreiro até a sua familiarização com o novo país e seus costumes por mais ou menos um ano. Posteriormente,  volta a ser empreiteiro na construção civil dada a sua experiência nos trabalhos realizados na Espanha. Construiu  diversas casas nas cidades de Santos e São Vicente até o ano de 1952.

Em seguida começou a formar uma sociedade para fabricar Cal na cidade de Salto de Pirapora com alguns imigrantes espanhóis que já estavam no Brasil e tinham feito fortuna com importação e exportação.

Veio para Itapeva em 1953, procurou o Sr. Francisco de Barros (conhecido como Chiquinho de Barros) como um contato para saber onde seria possível instalar fornos para produzir cal virgem. Foi informado de que no Bairro das Caviúnas poderia comprar pedra calcária e em seguida adquiriu uma área de terras na entrada da Vila Gomes, hoje Vila Aparecida e começou a instalar seus dois fornos de cal.

Nesta época convidou o seu amigo e conterrâneo Maximino Herrara Gomes a  vir para Itapeva e também produzir cal, pois havia arrumado um terreno para ele instalar o seu forno de cal perto dos seus. Foi trabalhar na Cia de Cimento Portland Maringá onde construiu os fornos de refratário da fábrica de cimento. Em 1955 vai trabalhar como gerente dos fornos de cal do Dr. Ataliba Leonel Neto no Bairro do Barreiro.

Casou com a Sra. Neide Monteiro Duarte no dia 25 de maio de 1955, nasceram seus três filhos: Ruben César Iglesias, Celso Monteiro Iglesias e Marco Monteiro Iglesias.

Em mais um impulso empreendedor convida o seu amigo Prefeito Cícero Marques para formarem  uma sociedade e explorarem a jazida de Calcário Agrícola no Bairro da Vargem produzindo o Calcáreo Fabuloso.

Com fortes vínculos entre mineradores e empreendedores tais como o Sr. Júlio Vieira Holtz, Prefeito Cícero Marques, Dr. Roberto Butzer, Leonardo Butzer, Eng. José Mokarzel, Acilon de Alencar e outros, tiveram a iniciativa de promover a fundação da Escola de Minas e Metalurgia de Itapeva a qual produziu muitos técnicos de excelente nível em Mineração e Metalurgia a ponto de serem chamados para trabalhar nos mais diversos rincões do nosso país.

Fundou a empresa Mineração Longa Vida Ltda no ano  de 01 de agosto de 1978, a qual teve como sócio, para cumprir uma formalidade legal, o Sr. Aristeu de Almeida Camargo e este após o seu filho mais velho alcançar a maioridade, em um ato de honestidade irretocável propõem transferir a totalidade de suas cotas para o filho Rubens César Iglesias.

Enquanto a Mineração Longa Vida Ltda não podia funcionar por questões burocráticas implantou como mais uma de seus empreendimentos o Loteamento denominado Parque Longa Vida aqui em Itapeva e também com o projeto executado pelo Prefeito Engº Luiz Antonio Hussne Cavani, deu os primeiros passos no sentido de implantar na cidade de Nova Campina, a qual naquela época era distrito de Itapeva, uma estância Hidromineral contando com a colaboração de seu saudoso amigo e Prefeito de Itapeva, Dr. Felipe Marinho, porém, por razões técnicas fora do seu controle a idéia não se consumou.

A empresa cresceu e se firmou no mercado cerâmico brasileiro com uma das fornecedoras de matéria prima para indústrias do porte da Cerâmica Portobello situada na cidade de Tijucas do Sul em Santa Catarina.

A Mineração Longa Vida foi a base para outros empreendimentos tais como a Transportadora Serra Branca, a empresa Construir – Construtora Iglesias e Rinaldi Ltda.  Na cidade de Indaiatuba – SP onde teve o prazer de contar como seu sócio e amigo o Sr.  Antonio Francisco Rinaldi concluindo a construção de um prédio de 28 apartamentos naquela cidade.

Em 1997 começa a Empresa Macfort Industrial S.A a qual gerou aproximadamente 130 empregos diretos e exportou seus produtos para mais de 15 países enquanto funcionou aqui.

Atualmente  tem feito na cidade de Ribeirão Branco, nas suas terras, um projeto de implantação  de uma floresta de árvores frutíferas visando a produção de Castanhas Portuguesa e Nozes e para futuro aproveitamento da madeira destas árvores.

Implantou um projeto de produção de frutas Kiwi e Pêra orgânica  e está em estudos para verificação da adaptabilidade da fruta Pomelo (Grape Fruit) bem como  acompanhando resultados e produção de mudas de outras frutas e árvores inclusive Carvalhos.

Seus sonhos não terminaram e aos 88 anos de idade continua a trabalhar e a torná-los realidade, pois acredita que ainda pode contribuir com o desenvolvimento da nossa região com sua humildade, criatividade e empreendedorismo. (Com Madalena Ferreira, da Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Itapeva)

Compartilhar

Notícias relacionadas