Candidatos Campos Machado e sua esposa Marlene visitam Coronel Macedo

O candidato a reeleição como deputado estadual, Campos Machado, que está na 7ª legislatura, e sua esposa Marlene Campos Machado, candidata a deputada federal, junto com a filha de ambos, Larissa, estiveram na tarde desta sexta-feira (31) em Coronel Macedo, onde foram recebidos na residência de João Lorentino, pelo prefeito José Roberto Santinoni Veiga “Betinho”, junto com a sua esposa Luana Caroline e sua vice-prefeita Miltes Tonon e mais os prefeitos Jair Carniato (Taguaí) e Isnar Freschi (Sarutaiá) , e pelos vereadores macedenses Roque Garcia (presidente da Câmara), Tom do Marino, Robson Izidorio de Macedo “Pão”, Edina Tonon e demais populares.

MARLENE CAMPOS MACHADO

Primeira a falar aos presentes no barracão de João Lorentino, a candidata a deputada federal Marlene Campos Machado, destacou que as mulheres representam 52% do eleitorado, e por isso têm uma grande força, o a força do voto para promover mudanças e colocar no parlamento pessoas sérias que olhem para o seu estado e o seu país. “Há mais 20 anos ao lado de Campos Machado, atuando na área social, sei o quão é difícil a vida das pessoas que dependem de políticas públicas. Juntos nós podemos muito mais, para trabalharmos pelas pessoas que mais precisam. Muito obrigado e que Deus abençoe a todos”, encerrou a candidata.

BETINHO

Em segundo, o prefeito “Betinho” lembrou de uma palestra que proferiu na quinta-feira (30), na Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo – USP, onde falou para alunos do Curso de Gestão Pública, sobre o “Poder local e Gestão de Políticas Públicas”

“Esta eleição relembra muito a pós-Collor de Melo, em 1994, com FHC e Lula. É uma eleição decisiva para o nosso pais. Ou a gente acredita e coloca alguém lá encima para tocar este país, alguém que tenha visão para colocar o Brasil no rumo certo ou a gente descarrila isso de uma vez. Prestem bem atenção nos discursos dos candidatos a presidente e vejam os que tem essa visão de fortalecimento dos poderes regional e fortalecimento do municipalismo”, recomendou.

E sobre recursos para tocar o município, Betinho lembrou o que Marlene acabara de dizer, ou seja, ela citou que “nos países desenvolvidos o bolo tributário (arrecadação de impostos) é dividido em três partes iguais. 1/3 para a federação, 1/3 para o Estado e 1/3 para o município e que por isso é preciso parlamentares que busquem essa igualdade.

Hoje, tudo que é produzido e gerado de impostos nos municípios vai para Brasília e os municípios ficam à mingua. O presidente lá encima não vai ver você, não vai me ver, mas o povo vai ver sempre o prefeito da sua cidade.

Então, precisamos de alguém que tenha essa visão municipalista, visão de fortalecimento regional. E eu tenho essas pessoas: Geraldo Alckmin (presidente), Márcio França (governador), Campos Machado (deputado estadual) e Marlene Campos Machado (deputada federal)”, finalizou Betinho.

CAMPOS MACHADO

Último a falar, Campos Machado, que é da cidade de Cerqueira César-SP, e também presidente estadual, e secretário nacional da executiva do PTB, falou da importância da mulher, e do PTB Mulher.

“A mulher tem de estar em todos os partidos e agremiações. Um partido sem mulher é como um céu sem estrelas ou um jardim sem flores. Acabou a fase da “mulher-fogão” e “mulher-cozinha”.

Hoje, mais da metade dos lares brasileiros são sustentados por mulheres”, lembrou o candidato que ressaltou a necessidade da participação da mulher na vida política do Brasil.

CANDIDATOS A PRESIDÊNCIA

E sem citar nomes, Campos Machado falou sobre os perfis de candidatos à presidência que lideram pesquisas de intenções de votos.
“Eu não voto em candidato que nunca na vida teve um bem próprio como por exemplo um carrinho de pipocas, um bar, uma oficina mecânica onde possa ter exercido uma gestão executiva. E também, não vou aceitar que um médico, por exemplo, cuide de uma oficina mecânica.

Não voto também em candidato que diz que a mulher tem de ganhar menos que o homem.

Que prega o ódio, a divisão e propõe armar a população para resolver problema da violência. Que defende matar bandidos. As prisões estão lotadas, mas lá dentro tem muitos presos pobres e inocentes, porque não tiveram condições de contratar bons advogados para se defenderem. Estes também merecem morrer?

Corremos o risco de eleger para presidente uma pessoa que não terá apoio dos 513 deputados federais, e que por isso não ficará seis meses no governo.

Um está preso, e um outro candidato defende a invasão de propriedades, liberação das drogas. Pergunto: vai liberar os hospitais e cemitérios também?

Sobre drogas, esse mal que acaba com a família e o usuário, está presente em todos os lugares praticamente 20% das populações dos municípios tem envolvimento com isso, e a sua liberação ou descriminalização seria muito danosa para o povo.

Por isso, voto em um homem religioso, franciscano, pobre, que tem um sitiozinho herdado do pai em Pindamonhangaba, experiente na administração pública. Falam que ele paga mal o funcionalismo, mas paga em dia, não atrasa. Não é como no Rio de Janeiro onde o servidor fica sete meses sem receber. Prefiro ganhar pouco mas receber certo.

Por isso, voto Geraldo Alckmin (presidente) homem de bem, o mais preparado para servir aos paulistas e a todos os brasileiros nesse grande desafio de reconstrução nacional, e com as mesmas qualidades, Márcio França para governador, porque o João “Trabalhador” para mim virou João “Traidor”.

Costumo dizer que caráter e lealdade são fundamentais na política. A lealdade é a cicatriz na alma do político”.

Finalizando, Campos Machado destacou que é preciso sonhar. “Quem acha que Coronel Macedo não chega ao tamanho de Avaré? A rodovia está ali!
Quem não sabe sonhar, não sabe viver”, e conclamando todos a darem-se as mãos, fez uma forte saudação ao prefeito “Betinho”.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

avatar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Se inscreva  
Notificação de