Crise administrativa: Itararé realizará manifestação popular

Está prevista para as 16h deste sábado(17), uma grande passeata organizada para chamar a atenção da população e para protestar contra a maior crise política-administrativa da história do município.

De acordo com os organizadores, essa manifestação pública está prevista na Constituição Federal e foi comunicada e protocolada junto às polícias Civil, Militar, Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros, Ministério Público e Judiciário.

A passeata percorrerá um trecho de cerca de 2 quilômetros na Rua São Pedro(principal), da EE Herculano Pimentel até a Câmara Municipal.

Segundo ainda seus organizadores, essa manifestação será pacífica, não será política partidária, não conterá bandeiras de partidos ou de organizações sindicais. Serão permitidas apenas as bandeiras do Brasil, do Estado de São Paulo e do município. Seus participantes estarão de preto ou pelo menos com um pedaço de tecido na cor, e alguns ostentarão faixas e cartazes com expressões de ordem, como “Transparência Já”, “Abaixo os corruptos” e outras.

No dia 24 de agosto, o prefeito César Perúcio(DEM), que já foi julgado e condenado pela Justiça, por irregularidades em licitações, foi por esta afastado do cargo, mas recorreu ao Tribunal de Justiça e foi reintegrado cinco dias após.

Novas denúncias – No período em que esteve afastado, ocupou o cargo o vice-prefeito José Eduardo Ferreira. Nesses poucos dias de governo, Ferreira encontrou mais várias outras irregularidades que geraram 15 inquéritos civis no Ministério Público.

Sabe-se que na parte da tarde de ontem (sexta-feira), o prefeito Perúcio compareceu ao Fórum local para assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta e não sabia da existência desses novos quinze inquéritos.

Déficit – Na ocasião, a assessoria de Ferreira informou ao Itaponews que o município(48.066 habitantes) estava com um déficit de R$ 8 a R$ 9 milhões até então, mas que poderia chegar aos R$ 14 milhões até o final do ano, o que tornaria o município  sem condições de ser administrado, e que talvez fosse necessário decretar estado de calamidade publica.

Com uma frota sucateada, sabe-se que a prefeitura sequer tem dinheiro para abastecer máquinas e caminhões com óleo diesel.

Perseguições – Sabe-se também que após ser afastado, a administração de Perúcio teria passado a exercer perseguições fiscais, como a exigência de alvará da associação comercial, órgão que pela lei está isento, e às várias unidades da rede de supermercados Cofesa. Gumercindo Ferreira, dono dessa rede informou que nenhuma mercadoria sai de suas unidades sem o devido cupom fiscal e disse que se a perseguição continuasse, fecharia todas as suas unidades em Itararé, em protesto contra a atitude administrativa de Perúcio.

Câmara a favor da cassação – De acordo com o movimento, depois da primeira turbulência, e com novas denúncias contra a administração municipal, sete vereadores, incluindo o presidente da Câmara, já teriam se manifestado a favor de uma cassação de Perúcio.

O Itaponews procurou ouvir por telefone o prefeito César Perúcio sobre a manifestação e sobre as denúncias, mas ninguém atendeu no seu celular.

Compartilhar

Notícias relacionadas