Com a missão cumprida, Bortoletto deixa a chefia de gabinete da Prefeitura de Riversul

 

No final do expediente desta terça-feira (28/06), junto com o prefeito Vicente de Paula Garcia com a esposa Izabel, o chefe de gabinete Benedito Bortoletto reuniu a equipe administrativa para, num gesto nobre, agradecer a colaboração, a dedicação, o companheirismo e a lealdade de todos e comunicar a sua saída, depois de três anos e seis meses em que, como braço direito do prefeito Vicente, esteve à testa da administração municipal de Riversul.

“Mas, agora chegou a minha hora. Depois de 40 anos de vida pública, sinto que mereço descansar junto com a minha família em Itú/SP, onde resido. Foi cansativo viajar sempre pra cá, mas valeu a pena. Conseguimos dar um pouco de contribuição para mudarmos a cultura política da nossa cidade e além disso estamos entrando num período político e o Vicente por enquanto, vejam bem, por enquanto, não pretende concorrer à reeleição.

Deixo a casa (Prefeitura) em ordem, tranquila e o próximo prefeito que vier não terá dificuldades, pois fizemos as coisas de forma justa e humana, com grande respeito ao riversulense, dentro do direito e da legalidade, da mais absoluta ética e honestidade.

A prova disso é que o Tribunal de Contas aprovou por três anos consecutivos as contas da administração do prefeito Vicente, e a deste ano certamente será aprovada. Não brincamos e fizemos como teria de ser feito. Muitos municípios tentaram fazer diferente e quebraram a cara.

A história política da cidade mudou e é hora de todos pensarem o “O quê eu posso fazer por Riversul? E não o quê Riversul pode fazer a mim?

As eleições estão chegando e é fundamental que tenhamos um Legislativo forte, independente, mas, inteligente para não atrapalhar, e se houver mérito do próximo prefeito, ajuda-lo também para que venha desenvolver uma boa administração. A cidade está cheia de talentos, homens, mulheres, professores, comerciantes, agricultores, estudantes e outros que podem servir o município elegendo-se vereador. Não tivemos nenhuma vereadora. Na próxima vamos procurar eleger mais mulheres, e professores para o Legislativo”, resumiu

Grande amigo de Vicente, desde a infância, foram praticamente criados juntos, Bortoletto, só não nasceu em Riversul, mas veio muito criança para o município. Trabalhou na roça, estudou no Lázaro Soares, ingressou na Aeronáutica onde ficou 36 anos e de onde saiu aposentado com a alta patente de Coronel. Passou 28 anos estudando, o que lhe possibilitou duas formações superiores de alta requisição no mercado de trabalho: Economia na Universidade Estadual do Rio de Janeiro e MBA – Desenvolvimento Avançado de Executivos, Área Gestão Institucional Estratégica, na Universidade Federal Fluminense e Curso de Negociação de Contratos Internacionais, no ILA em São Paulo.

Com esse currículo invejável ele poderia estar trabalhando em grandes cidades, mas recusou convites de algumas dessas para voltar à sua cidade, para, mais como um cidadão consciente, dar a sua contribuição na administração pública do município, junto com o amigo e prefeito Vicente.

E isso ele fez com grande eficiência. Vicente herdou o mandato com uma situação administrativa extremamente difícil de ser tocada, com muitas dívidas, sem receitas, convênios abandonados, obras paradas – principalmente a grande creche – iniciada em 2005, parada há cinco anos, mas que na atual gestão foi reconstruída e entregue à população em novembro de 2015.

Além disso, implementou junto com a equipe trabalhos de saneamento para uma máquina pública ficar em ordem, com contas em dia, normalização da arrecadação de receitas municipais sem precisar arrochar os contribuintes e os munícipes, e com isso melhorando a qualidade dos serviços prestados à população de Riversul, de maneira próxima à que todos tem direito.

Não obstante isso, a administração pagou mais de R$ 2 milhões de dívidas, INSS, precatórios e outras, e ainda conseguiu melhorar a infraestrutura da cidade, com pavimentação e calçamentos de ruas e trechos de vias públicas, reformas de prédio e do ginásio de esportes, e projetos para novas praças e quadras poliesportivas, com ajuda de emendas parlamentares de deputados estaduais e federais e foi, dentro do tempo e das possibilidades, mesmo com as grandes chuvas do verão passado, dado atenção às estradas rurais, o que não foi fácil, devido a queda de pontes.

Os problemas de estradas e pontes foram enfrentados por todos os municípios e alguns ainda não conseguiram resolver totalmente.

Finalizando, Bortoleto agradeceu a todos, citando nomes e convidando-os para darem prosseguimento no método adotado para que o município continue sendo bem administrado.

Citou os problemas da corrupção financeira que corrói a política brasileira, nos poderes, em órgãos de governos nas capitais, mas principalmente na capital federal.

E aproveitou para citar também a corrupção silenciosa, que é tão grave quanto. Como por exemplo a omissão de um servidor público de qualquer setor, que recebe para prestar um bom serviço à população, mas não o faz bem feito. “Por exemplo, uma enfermeira que não atende bem uma paciente portadora de HIV, grávida, dando remédio só para esta sem se preocupar com o feto, ou um professor que está lá para dar aulas e ensinar, mas não faz isso e resolve dar dez para todos, porque ele não quer trabalhar e tem a certeza que no final do mês o seu salário está garantido.

Lembrem-se que é possível sim trabalhar sem fazer corrupção silenciosa e também é possível fazer política sem corrupção financeira”, encerrou Bortoletto.

Vários integrantes da equipe falaram também agradecendo sobre o aprendizado e sobre o privilégio de ter trabalhado com ele, que como ele mesmo disse, “cheguei Coronel e estou saindo como o Dito”.

E para surpresa de Bortoletto, os funcionários ofereceram-lhe em agradecimento um delicioso bolo que foi dividido com todos regado a refrigerantes.
Veja mais sobre Benedito Bortoletto 

Compartilhar

Notícias relacionadas