Com ágio de 1.900%, concessão da Usina SP recebe proposta de R$ 280 mi

Um dos eixos do programa Novo Rio Pinheiros, remodelação do complexo prevê implantação de áreas de convivência, comércio e escritórios

O Governador João Doria anunciou nesta sexta-feira (4) um avanço importante no programa para revitalização do rio Pinheiros: nesta quinta-feira (3), o consórcio denominado Usina São Paulo apresentou a proposta vencedora da licitação para concessão da antiga usina da Traição no valor de R$ 280 milhões. O certame foi conduzido pela Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE).

A revitalização do equipamento e de todo seu entorno é um dos eixos do Programa Novo Rio Pinheiros e tem como objetivo aproximar a população do rio por meio dos espaços de lazer e entretenimento. O complexo deve contar com áreas de convivência, comerciais e escritórios, além de bicicletários para atender aos usuários da ciclovia.

“É uma prova de confiança no programa do Governo do Estado e volto a reafirmar aqui o compromisso de entregar o rio despoluído até 31 de dezembro de 2022”, enfatizou Doria. “Com a concessão, o governo economiza R$ 12 milhões por ano e estes recursos serão destinados para saúde, educação e segurança pública. O investimento que estamos fazendo para a despoluição do rio Pinheiros já atinge R$ 1,7 bilhão e as obras não pararam durante a pandemia”, completou.

O critério para julgamento das propostas, após as análises técnicas de qualificação, foi o maior preço ofertado para a parcela (outorga) fixa. O grupo ofereceu o valor de R$ 280 milhões e o prazo de concessão estabelecido no edital vai até novembro de 2042. Conforme previsto na legislação, o processo licitatório tem cinco dias úteis para recurso administrativo. A remuneração pela concessão será composta de parcelas mensais fixas e variáveis, calculada em percentual do faturamento bruto do empreendimento.

Este é mais um passo dentro de um grande projeto ambiental e de cidadania do Governo de São Paulo. A transformação deste símbolo da cidade já começou”, comemora o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

O Consórcio Usina São Paulo é formado pelas empresas Kallis Administração e Participações Eireli, Nacional Shopping Planejamentos e Reestruturação de Shopping Center Ltda. e Concessões e Participações BR Ltda.

Módulos do Complexo Usina São Paulo

A concessão abrange três espaços com vocações distintas que somam 29,8 mil m². A implantação do projeto será realizada em sete módulos, com previsão de conclusão dos quatro primeiros até o primeiro semestre de 2022.

Módulo 1 – Espaço B

Requalificação das quatro faces da fachada da Usina, que totalizam uma área de cerca de 7.200 m², a fim de modernizar o edifício. Estudos realizados pelo IPT comprovam a capacidade de utilização da parte superior do edifício para construção dos equipamentos previstos;

Módulo 2 – Espaço B

Está previsto o aproveitamento da parte superior da usina para implantação de restaurante, bar ou lanchonete e mirante, aberto permanentemente ao público, numa área de 1.939 m²;

Módulos 3, 4 e 5

Implantação de acessos para veículos e pedestres à área e na parte superior da usina. O módulo 3 prevê um acesso de veículos pela margem oeste do rio e a criação de um estacionamento descoberto, asfaltado e arborizado com área de 4.000 m². Já o módulo 4 contempla a implantação de acessos à cobertura da usina a partir das margens leste e oeste que deve contar com dois acessos com escadas e elevadores, uma em cada margem do rio. O edital também prevê a construção de passarelas para pedestres e bicicletas, visando facilitar a chegada do público aos espaços comerciais do Complexo Usina São Paulo. Denominado módulo 5, as passarelas devem ligar a estação Vila Olímpia da CPTM e a Praça do Cancioneiro ao empreendimento, após a obtenção de autorização dos órgãos responsáveis. (Inicialmente, os pedestres seguem utilizando os acessos já existentes para a ciclovia e a passarela de pedestres e bicicletas que liga a Av. Nações Unidas à ciclovia, também perto da estação Vila Olímpia da CPTM);

Módulo 6 (Espaço C)

Um grande espaço comercial deve ocupar a área de 9.891 m² que fica ao lado da Usina São Paulo, na margem leste do rio Pinheiros (espaço C). O aproveitamento consiste na requalificação (retrofit) dos edifícios existentes ou sua ampliação com a utilização do espaço livre central da área. Com esse retrofit, o local deve ganhar lojas, lanchonetes e restaurantes – com praça de alimentação -, museu e salas-escritórios. A área não edificada deverá ser requalificada para lazer, com tratamento paisagístico e isolamento dos espaços operacionais existentes;

Módulo 7 (Espaço A)

Neste módulo, está prevista a implantação de um edifício com pavimento para a instalação de espaços comerciais na margem Oeste do Canal Pinheiros, utilizando a área de aproximadamente 3.000 m², atualmente destinada à subestação. Está programada também a construção de um deck para contemplação e praça de alimentação.

Assessoria de Imprensa
Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente

Compartilhar

Notícias relacionadas

Se inscreva
Notificação de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments