Educação e tecnologia: Itaí vai distribuir 2 mil tablets a estudantes da rede municipal

OLYMPUS DIGITAL CAMERA         tabletA administração municipal de Itaí(24.302 habitantes), que foi pioneira na região ao instituir no início do ano passado, na Educação a tecnologia de ensino em lousa digital nas escolas da sua rede, surpreende novamente ao distribuir  2 mil tablets  para que cada aluno

tenha o seu com conexão internet o tempo todo e use esse dispositivo para estudar, pesquisar, ler livros, jornais e nos momentos de folga interagir com amigos e se entreter com jogos pedagógicos.

P1010001Um bom tablet custa no mercado em torno de R$ 800 reais e em licitação ele conseguiu comprar os 2 mil que já chegaram e lotaram o seu amplo gabinete, ao preço aproximado de R$ 400 reais.
Com isso, o estudante da rede pública de Itaí vai ter o seu tablet, dispositivo que muitos da rede particular não terão. 

Natural de Araraquara-SP, o prefeito e médico Luiz Antonio Paschoal(PSDB), 59, é casado com D. Laudicéia. O casal, que está há 29 anos no município, tem 8 filhos adotados e como bens patrimoniais apenas a casa onde moram e uma chácara com um pequeno lago pra pescar.

Estupim curto – De acordo com pessoas próximas, ele é exigente e justo, e como filho de descendentes de espanhóis, no gabinete ou em qualquer lugar não pensa duas vezes para se indispor contra algo ou alguém que venha com propostas inadequadas.

Contam que ele é muito responsável e comprometido com o município. “Se acontecer dele precisar viajar a São Paulo para assinatura de convênios por exemplo, e se a Santa Casa local  for ficar sem médico de plantão, ele não viaja (vai em outra data). Mesmo a trabalho, usa mais o seu carro particular e o carro oficial – um velho Santana – usa para deslocamentos em encontros de prefeitos na região e à São Paulo, de onde volta no mesmo dia para evitar gastos de hospedagem. Ele nunca viajou a tarde para dormir na capital para atividades oficiais e políticas no dia seguinte. Nesses quatro anos foi apenas duas vezes à Brasília”, contou uma dessas pessoas que pediu anonimato.

R$ 185 mil de plantões viraram três enfermarias na Santa Casa

Essa mesma fonte informou sobre um dos vários feitos nobres do Dr. Paschoal. “O município paga em dia todos os fornecedores e os plantões dos médicos. Durante onze meses ele como outros médicos fez plantões na Santa Casa. Só que ele não recebia mensalmente e nos 11 meses acumulou aproximadamente R$ 185 mil. Ele fez o acerto, assinou o cheque nominal a ele mesmo e o transferiu para a própria Santa Casa com a determinação de, com esse dinheiro construir mais três confortáveis enfermarias, o que foi concluído recentemente”, finalizou a fonte.  

P1010003Entrevistado pelo Itaponews nesta terça-feira, 10, Luiz Antonio Paschoal, filho de ferroviário, inicialmente contou como se formou médico, profissão que ele ama e é acima da política. “Mas isso foi quando a escola pública era boa e a particular ruim. Mas tinha um detalhe: você só entrava numa faculdade de medicina pública por exemplo, se você viesse de famílias importantes, com sobrenome importante. Um filho de ferroviário jamais entraria numa universidade. Estudei bastante, prestei vestibular, passei e como tinha o sobrenome Paschoal fui confundido com o Paschoal de uma família importante. Quando descobriram isso, já era tarde e não dava mais para me impedirem, pois eu me destacava pelo bom desempenho na turma”.

Muito bem informado, fala sobre qualquer assunto, e sobre o por quê das pequenas cidades da região Sudoeste Paulista  apesar de antigas não terem se desenvolvido, ele explicou que tudo esteve relacionado às condições de transportes disponíveis na época, a ferrovia. “As maiores cidades desta região, como Bauru, Avaré e Botucatu por exemplo, cresceram na economia e na população em função da estrada de ferro. Todas que tiveram ferrovia cresceram. Exemplos: Sorocaba, Itapetininga, Botucatu, Bauru e Avaré. Piraju, com seus cafezais e com os barões do café, o ouro verde, chegou a ser maior que Avaré e logo depois, não sabemos os motivos, se estagnou, sendo ultrapassada por Avaré.

Além do fator econômico na época, as concessões de benefícios por parte do Estado, estavam atreladas à quantidade de votos dos municípios, tanto para presidente, governador, senador, deputados federais e estaduais. Quanto maior a cidade, maiores eram os benefícios e as emendas parlamentares (as verbas). Nessa condição, basicamente com uma agricultura arcaica de sobrevivência, ou seja, sem uma agricultura produtiva por falta de tecnologias, evidentemente ficava difícil para esses municípios crescerem”, explica.

Desenvolvimento de Itaí – Paschoal explica que o forte da economia do município é a agricultura moderna. Como um dos maiores do Estado em extensão territorial (1.112,27 km2) ricos de terras férteis ( massapé e roxa) altamente produtivas, somadas às condições climáticas favoráveis(água, sol, calor, frio e chuva) fazem com que a economia do município ganhe notoriedade e crescimento, à taxa de mais de 14% ao ano, superando as taxas de crescimento chinesas.

Mas ele atribui isso a ousadia dos pequenos e dos grandes agricultores do município, como José Carlos Fernandes e os holandeses (Holambra). Ambos empregam alta tecnologia. A cooperativa Holambra desenvolveu planos e ações visando um maior aproveitamento do solo, e ele lamenta que devido a falta de visão de um prefeito do passado de Itaí, a Holambra e sua cooperativa passaram a pertencer ao município de Paranapanema. “Mas ainda bem que é no nosso território é que eles desenvolvem suas atividades de cultivo e produção de alimentos, grãos de cereais. Isso de que holandês só mexe com flores é coisa do passado, quando chegaram. Hoje, os jovens agricultores antes vão fazer agronomia na maior e melhor universidade do Brasil, a ESALQ – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da USP Piracicaba”, reconhece.

Monsanto – O prefeito itaiense fala também de um outro orgulho de Itaí. “Não foi à toa que a Monsanto, multinacional líder mundial em produção agrícola se instalou no nosso município e é através dela que sai as melhores sementes de milho e sorgo para o resto do Brasil. Antes importávamos milho transgênico da Argentina. Agora exportamos para ela.

Sobre os supostos efeitos maléficos dos transgênicos, é tudo conversa e não nada cientificamente comprovado”, diz

“Porquê você acha que nossa região está recebendo comitivas chinesas? É porque os estamos superando, ultrapassando as suas taxas de crescimento  e eles estão vindo conhecer a metodologia e a tecnologia que empregamos na agricultura”, conclui.

Saúde e Educação – Para Paschoal, a melhoria da qualidade de vida do cidadão depende exclusivamente de duas coisas que o poder político pode interceder para melhorar: Saúde e Educação. “É nessas duas coisas, sem esquecer das outras é que focamos a nossa administração. Investimos 29 ou 30% do orçamento em cada uma.

Na Saúde, construímos unidades básicas em pontos estratégicos e contratamos os melhores médicos da região, que se revezam nessas unidades e oferecem o mesmo atendimento médico dos seus consultórios. Certo dia uma moradora contou pra mim: ‘Dr. eu estou muito satisfeita e não imaginaria que na rede pública e gratuitamente eu viesse a ser atendida por um renomado médico da região. Isso aconteceu e a qualidade do atendimento foi o mesmo que ele me deu em consulta paga, em seu consultório particular’. Mas não é só isso. Temos duas farmácias do município que fornecem os medicamentos que forem receitados para o paciente. Os que fazem tratamento de câncer, não precisam mais se submeterem às humilhações para conseguirem os seus medicamentos, pois eles estão garantidos pelo município. São coisas assim que nos motivam a continuar na luta”, resume.

Na Educação, o prefeito Paschoal deu um choque e rompeu com práticas que beneficiavam poucos. Adquiriu veículos suficientes para o transporte escolar, acabou com o transporte terceirizado e eliminou as escolas rurais trazendo todos os alunos para as escolas da cidade, melhorou a qualidade da merenda escolar. “Fizemos isso para que o estudante rural passasse a receber o mesmo que recebe o estudante da cidade, o mesmo ensinamento e a mesma alimentação. E era muito difícil para as professoras viajarem longas distâncias para, numa mesma sala de aula rural lecionarem para várias séries”, ressaltou.

Sobre os tablets que cada aluno terá, Paschoal explicou que serão muito úteis, pois nem todos tem condições de ter um computador na casa. “Tudo está girando entorno de tecnologia, seja para trabalhar, estudar e se divertir. Os que usam essa tecnologia apresentam melhor desempenho escolar e acesso a informações, base para caminhar rumo a uma melhoria na qualidade de vida. Tendo isso, a criança e o adolescente passa a começar a se preparar para um futuro melhor, e quando adulto estará preparado para disputar uma vaga no mercado de trabalho, que está cada vez mais exigente e aí só os que tiveram boa escolaridade e qualificação terão chances. Tendo uma boa assistência em saúde e uma boa educação, o resto para melhorar a vida do cidadão será apenas consequência natural decorrente dessas duas coisas”, ressalta. 

Veículos – Ao todo, nesses últimos quatro anos a administração renovou frota geral, adquirindo cerca de 80 novos veículos, entre eles os veículos para transporte escolar.
Finalizando, o prefeito Paschoal falou sobre uma decepção e uma alegria decorrentes do seu jeito de administrar.

Decepção: “Foram os amigos e companheiros que não quiseram acompanhar a modernidade política e logo de início me deixaram, por eu fazer o justo para toda a população, e por cortar privilégios e benefícios de uns poucos. Infelizmente esses tinham mentalidade da época do coronelismo”.

Alegria: “Constatar a melhoria e ver a resposta imediata das nossas crianças, alunos, professores e todos os demais servidores da educação, que passaram a apresentar um melhor desempenho. Tudo em consequência do investimento do poder público municipal.

Sobre se concorrerá à reeleição 2012: “Sou um candidato a candidato. Mas isso será decidido dentro do partido”, finaliza.

Na eleição de 2008, primeiro mandato, Dr. Pascoal obteve 7.080 votos, elegendo-se com 54,56% dos votos válidos. Seus concorrentes tiveram: Valmir Domingos – 4.976 votos – 38,35%; Armando Camilo – 793 – 6,11% e José Ferreira de Albuquerque – 127 – 0,98%

Compartilhar

Notícias relacionadas