Homenagens à 2ª turma e novos professores eméritos marcam celebração dos 46 anos da FMB/Unesp

26 de abril de 1963. Nesta data, era instalada, sob a direção do prof. João Alves Meira, com assessoria e coordenação do prof. Mário Rubens Guimarães Montenegro, a Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB), onde a Faculdade de Medicina de Botucatu era parte integrante. A aula inaugural foi proferida pelo professor Nicanor Letti, com o título: “Tendências Atuais do Ensino de Anatomia”.

24 de abril de 2009. A FMB, integrante da Unesp (Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”), celebrou seus 46 anos de criação em sessão solene marcada por homenagens à segunda turma de médicos formados pela instituição e a entrega do título de professor emérito a duas personalidades marcantes de sua história: Arthur Roquete de Macedo e Augusto Cezar Montelli.

O evento, marcado por reunir médicos formados da 2ª turma da FCMBB, contou com a presença de membros da Congregação, familiares dos homenageados, da direção da FMB/Unesp, da superintendência do Hospital das Clínicas e autoridades políticas, como o deputado estadual e docente da faculdade, Milton Flávio (PSDB), do prefeito de Botucatu, João Cury e o presidente da Câmara Municipal, vereador Reinaldo Mendonça Moreira (PR). O vice-reitor Júlio Cezar Durigan e as pró-reitoras de graduação e pós-graduação, Sheila Zambello de Pinho e Marilza Vieira Cunha Rudge, respectivamente, representaram a administração da Unesp na solenidade.

Representando a 2ª turma de medicina, o pediatra Dr. Domingos Gabriel de Paula Beluci, focou seu discurso no sentimento estudantil, da novidade do então novo curso e da faculdade que ainda se iniciava, com suas dificuldades. “Essas pessoas que aqui estiveram participaram de uma história de amor, de quem adotou a cidade e a Faculdade de Medicina”, declarou.

Permearam, entre suas histórias, lembranças das repúblicas, a relação aluno/professor e das dificuldades de se conseguir estudar em uma nova cidade para muitos. Além disso, momentos da vida política, como a criação do Centro Acadêmico Pirajá da Silva (CAPS) e das manifestações estudantis na Operação Andarilho e durante o Regime Militar (1964/1985) também foram lembrados pelo médico. “A vida acadêmica, naquela época, foi marcada por nossos ideais”, ressaltou Dr. Beluci.

Na sequência, a professora emérita Dinah Borges de Almeida, homenageada de honra da 2ª turma de médicos da FCMBB ocupou a tribuna do salão nobre para o pronunciamento em nome da turma.

Representante do Departamento de Clínica Médica, o prof. Paulo José Fortes Villas Boas fez um breve relato da vida acadêmica de Augusto Cezar Montelli, que foi titulado como novo professor emérito da FMB.

Após receber a samarra, prof. Montelli surpreendeu aos presentes e optou por não discursar. Agradeceu a presença de todos e solicitou a exibição de um vídeo, onde eram exibidas imagens de sua trajetória em mais de 40 anos de vida acadêmica intercaladas por depoimentos gravados pelo agora professor emérito da FMB. Em uma de suas declarações, Montelli afirmou que ‘foram muitas as pessoas que mereceram seu respeito em mais de 70 anos de vida’. “Recebo com honra o título (de professor emérito) e estendo a muitas pessoas minha gratidão”, disse o docente.

César Tadeu Spadella, representando o Departamento de Cirurgia e Ortopedia, relatou toda a trajetória do professor, ex-diretor e reitor da Unesp entre os anos de 1993 a 1997, Arthur Roquete de Macedo. Em seguida, o novo professor emérito da Faculdade de Medicina discursou com tom de agradecimento pela titulação. Segundo ele, sua vida acadêmica e profissional tem fortes raízes com a FMB. “Fui aluno da 1ª turma de medicina da FCMBB, tornei-me professor, diretor e reitor da Unesp. Receber o título de professor emérito desta casa é o coroamento de uma carreira vinculada à Faculdade de Medicina”, ressaltou. “Não aprendemos apenas medicina, mas respeito ao paciente, a ética”, concluiu, no discurso, prof. Arthur.

O diretor da Faculdade de Medicina de Botucatu, professor Dr. Sérgio Swain Müller, salientou durante sua fala aos convidados para a cerimônia que os membros da segunda turma da antiga FCMBB fizeram o possível e o impossível para que a instituição chegasse a ser o que é hoje. “Estudar em Botucatu hoje é um orgulho para qualquer aluno. Temos formado mais que médicos, temos formado cidadãos com capacidade de transformar seu meio”, observou.

Müller apresentou números que comprovam a pujança da FMB atualmente. Entre outros dados, citou que nos últimos 46 anos a instituição já formou 3.644 médicos, 377 enfermeiros e que de 1998 até os dias de hoje mais mulheres que homens têm iniciado a graduação. Ele também destacou que a Enfermagem está entre os cursos mais procurados da Unesp e essa demanda cresce a cada ano.

O diretor da FMB ainda enfatizou a importância dos projetos de extensão desenvolvidos pela instituição, como é o caso, por exemplo, do Cursinho Desafio e ainda das unidades auxiliares, como o Centro de Saúde Escola (CSE). “São projetos verdadeiros de inclusão social”, disse Dr. Sérgio Müller, que ainda comemorou o fato de a faculdade estar prestes a contar com uma sede e central de salas de aula próprias.

Vice-reitor ressalta sucesso da trajetória de professores eméritos

O vice-reitor da Unesp, Júlio Cezar Durigan, fez questão de destacar a importância dos serviços prestados pelos professores Augusto Cezar Montelli e Arthur Roquete de Macedo à Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). Eles receberam o título de professores eméritos. Durigan representou o reitor Herman Jacobus Cornelis Voorwald na solenidade de comemoração aos 46 anos de atividades acadêmicas da FMB.

“Jamais me esqueci das palavras de meu pai, quando dizia que em Jaboticabal havia um grande mestre, que era o professor Montelli”, disse o vice-reitor. “Eu teria muito a dizer sobre o professor Arthur, um administrador exemplar, arrojado, um ícone no contexto do ensino público superior”, também citou ele.

Durigan também frisou que a FMB alcançou reconhecimento e prestígio tanto no Brasil como no exterior. “A instituição tem formado doutores com grande competência”, avaliou.

FMB: excelência em ensino, pesquisa e extensão universitária

Referência brasileira e internacional em ensino, pesquisa e extensão, a Faculdade de Medicina de Botucatu oferece cursos de graduação em Medicina Humana e Enfermagem, 36 programas de residência médica, 53 de aprimoramento profissional, 8 de pós-graduação e 2 de mestrado profissionalizante. Na graduação, o curso de Medicina Humana oferece 90 vagas e o de Enfermagem 30. Juntos reúnem 284 docentes e 1.475 servidores.

Implantada em 1963 como Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB) e incorporada à Unesp em 1976, seus cursos possuem uma sólida base científica, postura ética e uma forte visão humanística e de comprometimento com a cidadania. Seu objetivo é formar profissionais com senso crítico, conscientes de seu papel na sociedade.

Os cursos de pós-graduação lato sensu compreendem as áreas de residência médica e de aprimoramento profissional. A Residência Médica conta com 36 especialistas e 330 residentes e o Programa de Aprimoramento Profissional, destinado à formação de profissionais não-médicos, possui 101 alunos. Em 2008, foi instalada a Residência Multiprofissional em Saúde da Família.

Flávio Fogueral e Leandro Rocha

Assessoria de Comunicação e Imprensa FMB e HC

Compartilhar

Notícias relacionadas