IDHM 0,719 de Itaporanga é um dos melhores da região

O Atlas do Desenvolvimento Humano nos Municípios divulgou nesta terça-feira (25) os índices dos 5.565 municípios brasileiros e os das 20 regiões metropolitanas. São Paulo, ou seja, a RMSP (Região Metropolitana de SP) é a que tem o melhor índice do país, com 0,794.

Nesta região, Itaporanga com 0,719 e Fartura com 0,732 – dentre os municípios com Alto IDHM, 0,700 a 0,799 – estão com indicadores melhores que Taquarituba, Itaí, Itaberá e Itararé.

Itaporanga (SP) 0,719
Barão de Antonina (SP) – 0,711
Coronel Macedo (SP) – 0,690
Riversul (SP) 0,664
Salto do Itararé (PR) – 0,704´
Santana do Itararé(PR) – 0,687
Taquarituba (SP) 0,701
Itaí (SP) – 0,713
Taguaí (SP) – 0,709
Fartura (SP) – 0,732
Carlópolis(PR) – 0,713
Itararé (SP) – 0,703
Sengés(PR) 0,663
Itaberá (SP) 0,693
Itapeva (SP) – 0,732
Avaré (SP) – 0,767
Botucatu (SP) – 0,800

O Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil engloba o Atlas do Desenvolvimento Humano nos Municípios e o Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas. O Atlas é, uma plataforma de consulta ao Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de 5.565 municípios brasileiros, 27 Unidades da Federação (UF), 20 Regiões Metropolitanas (RM) e suas respectivas Unidades de Desenvolvimento Humano (UDH). O Atlas traz, além do IDHM, mais de 200 indicadores de demografia, educação, renda, trabalho, habitação e vulnerabilidade, com dados extraídos dos Censos Demográficos de 1991, 2000 e 2010

RMSP tem o melhor Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil

(Da Assessoria de Imprensa do Governo Paulista) – A Região Metropolitana de São Paulo tem o melhor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) dentre as 16 regiões metropolitanas do País – mantendo a liderança obtida no último levantamento, de 2000. É o que aponta o Atlas das Regiões Metropolitanas, divulgado nesta terça-feira (25). O índice da RMSP é 0,794.

O IDHM, que varia de 0 a 1, conta com três indicadores: longevidade, educação e renda. Na comparação com os indicadores das demais regiões metropolitanas, a RMSP apresenta o 2o melhor índice em educação e renda, e o 3o em longevidade.

Entre 2000 e 2010, o índice geral da RMSP aumentou 11,2%, de 0,714 para 0,794. Na categoria educação, o índice saltou 22% (de 0,592 para 0,723). Em longevidade, o aumento foi de 8% (de 0,790 para 0,863), enquanto que no critério renda, o avanço foi de 4% (de 0,779 para 0,812).

Também houve uma redução do nível de desigualdade na RMSP entre as Unidades de Desenvolvimento Humano – denominação equivalente a bairros e distritos. Na década analisada, a diferença absoluta caiu um quarto – de 0,453 para 0,340. Em 2000, o índice variava entre 0,479 e 0,932 enquanto hoje está entre 0,625 e 0,965 (índice superior ao de países como Noruega e Austrália, que estão no topo do ranking mundial).

Na prática, isso significa que ações e programas implantados nos 39 municípios da RMSP para melhoria da qualidade de vida têm apresentado resultados, como ampliação do conhecimento com a expansão da rede de ensino técnico e profissionalizante, entrega de novos hospitais e 52 AMEs, e avanços na área de saneamento.

O Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras é elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e Fundação João Pinheiro, com base em dados de 2010.

– Veja a tabela com os índices das regiões metropolitanas: http://saopaulo.sp.gov.br/usr/share/documents/588.jpg.
– Veja o Atlas completo no link: www.atlasbrasil.org.br.

Compartilhar

Notícias relacionadas