Independência: Estado de São Paulo abrigará primeiro Reator Núclear Brasileiro para fins medicinais

Reator Nuclear BrasileiroNovo empreendimento, instalado em uma área de mais de 800 mil m², em Iperó, interior paulista, garantirá a segurança e o fornecimento de importantes insumos para exames diagnósticos em medicina nuclear e para a terapia de diversas doenças, entre elas o câncer – O governador Geraldo Alckmin assinou, nesta sexta-feira, 14, a declaração…

de utilidade pública de um terreno em Iperó, município do interior paulista, que vai abrigar o primeiro Reator Multipropósito Brasileiro (RMB). Além de produzir radioisótopos utilizados na fabricação dos radiofármacos, fundamentais para diagnóstico e terapia de diversas doenças, como câncer, permitirá ainda realizar pesquisas nas várias áreas de aplicação da tecnologia nuclear, como agricultura, conservação de alimentos, ciência de materiais, energia e meio ambiente, entre outras.

“Com esse novo reator, o Brasil vai conquistar a sua independência na área nuclear. Ele é importante para a medicina nuclear, para a energia nuclear e para a engenharia nuclear, por isso ele se chama multipropósito”, afirmou Alckmin.

O RMB dará novo impulso à medicina nuclear no país. Muitos dos radiofármacos e radioisótopos são importados para serem processados e distribuídos aos centros médicos. Com a construção do novo reator, novos produtos podem ser desenvolvidos e os atualmente importados passam a ser produzidos no país, gerando importante economia de divisas, segurança no fornecimento dos radiofármacos e melhor qualidade de vida a milhões de brasileiros.

Os radiofármacos são utilizados, atualmente, em mais de três milhões de procedimentos médicos por ano, em diversas áreas, como cardiologia, oncologia e neurologia, tanto para diagnósticos como para terapia.

O local escolhido para a instalação do RMB possui mais de 800 mil² de área e está localizado em Iperó, junto ao complexo tecnológico Aramar, da Marinha do Brasil. A ação é importante para que o Estado de São Paulo possa ampliar a já consolidada atuação no desenvolvimento científico e tecnológico na área nuclear, que acontece por meio de pesquisas e fomento de projetos em parceria com institutos.

O Estado já abriga o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, que possui o reator de maior potência nacional, o primeiro a entrar em operação no país.
Com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), do Ministério de Ciência Tecnologia e Inovação (MCTI), é responsável pela implementação do novo empreendimento, que faz parte da meta estratégica do Ministério e está alinhado com as políticas estabelecidas no Programa Nuclear Brasileiro (PNB).

Sobre o Ipen

O Ipen é uma autarquia estadual vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, gerida técnica e administrativamente pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), órgão do Ministério da Ciência,Tecnologia e Inovação (MCTI). Também está associado à Universidade de São Paulo (USP) para fins de ensino e pós-graduação.

O Ipen caracteriza-se pela multidisciplinaridade das atividades que desenvolve nas áreas de saúde, meio ambiente, aplicações de técnicas nucleares, materiais, segurança radiológica, reatores nucleares e fontes alternativas de energia.
Sobre o Programa Nuclear Brasileiro – PNB

O PNB prevê o incremento da utilização de energia nuclear para diversas finalidades, entre elas o desenvolvimento tecnológico próprio voltado à formação de recursos humanos especializados e o aumento das aplicações materiais e técnicas nucleares para benefício da sociedade, nas áreas de saúde, indústria, proteção ao meio ambiente, agricultura e outros segmentos. Dentre as aplicações, é destacada a utilização de radiofármacos para diagnóstico e terapia em medicina nuclear, técnica aplicada em três milhões de procedimentos médicos no Brasil por ano. (Da assessoria de imprensa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia)

Compartilhar

Notícias relacionadas