Itapeva terá Previdência Social própria Municipal

Paulo de La Rua presidiu as duas sessõesServidores lotaram a Câmara MunicipalA Câmara Municipal de Itapeva aprovou na noite desta segunda-feira, dia 26 de dezembro, o projeto de criação da Previdência Própria Municipal. Segundo os vereadores, o novo sistema de previdência vem ao encontro dos interesses dos

servidores públicos, que encontram várias vantagens, entre elas a sua participação direta na gestão do instituto a ser criado.

O regime próprio de previdência funciona através de uma autarquia que fica responsável pela manutenção permanente do cadastro dos beneficiários e a gestão dos fundos e recursos arrecadados. A gestão é feita por servidores efetivos e eleitos. O trabalho é todo fiscalizado pelos conselhos eleitos para participar da gestão do instituto.

O regime único visa também adequar os benefícios previdenciários aos requisitos e critérios fixados pela legislação federal para o regime próprio de previdência social. A autarquia é autorizada por lei a atuar nas demais áreas da seguridade social, sendo responsável única e exclusivamente pelo pagamento de aposentadoria e pensões de servidores.

“Todas as cidades desenvolvidas adotaram esse sistema de previdência e estão obtendo sucesso. Itapeva também é uma cidade que se desenvolveu muito”, diz o vereador Paulo Roberto Tarzã dos Santos, um dos defensores do projeto. Itapeva passou por uma transformação nos últimos anos, não só visual, mas administrativa também. Quando o prefeito Luiz Cavani assumiu em 2005, foi realizada uma reestruturação no quadro da Prefeitura. Salários em dia, pagamento de fornecedores, contas aprovadas, busca por recursos junto ao Governo Federal e Estadual fizeram com que a cidade mostrasse ter condições de dar esse novo passo rumo ao desenvolvimento.

O projeto que recebeu sete emendas, aprovadas pelo Plenário, foi discutido e votado em dois turnos, sendo aprovado por cinco votos favoráveis e quatro contrários. Nesse caso o presidente Paulo de La Rua usaria da prerrogativa de votar a matéria, somente se houvesse empate.

Foram favoráveis ao projeto os vereadores Marmo Fogaça, Eliel Ferreira, Oziel Pires, Paulo Roberto Tarzã dos Santos e  Ney Gonçalves. Votaram contrário ao projeto os vereadores Áurea Aparecida Rosa, Roberto Comeron, Júnior Guari e Wilson Roberto Margarido.

Emendas – Uma das emendas aprovadas, de autoria do vereador Marmo Fogaça, define o percentual de contribuição do ente e entidades públicas, sendo esses: exercício de 2012 – 16%; em 2013 – 17%; em 2014 – 18% e no exercício de 2015 – 19%. Outra emenda do vereador Marmo define que a lei será regulamentada pelo Executivo no prazo de 180 dias de sua vigência.

Marmo assegurou através de emenda que os benefícios de aposentadoria e pensão constantes da lei serão reajustados para preservar, em caráter permanente, o valor real, na mesma data em que se der o reajuste dos servidores públicos municipais,  de acordo com a variação do índice definido em lei pelo Município.

Emenda proposta pelo vereador Tarzã define que a concessão de aposentadoria voluntária aos funcionários públicos abrangidos pelo regime de que trata a lei, ocorrerá apenas após a efetivação de 36 contribuições ao IPMI, independentemente do cumprimento dos requisitos para a obtenção do benefício com base nos critérios da legislação então vigente. (No projeto original esse prazo era de 24 contribuições).

Tarzã apresentou emenda considerando-se segurado para os efeitos da lei, o servidor público titular de cargo efetivo, o servidor estável abrangido pelo Art. 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e o admitido até 05 de outubro de 1988, que não tenha cumprido, naquela data, o tempo previsto para aquisição da estabilidade no serviço público, o aposentado, o pensionista e o funcionário afastado para desempenho de mandato Legislativo e Executivo, desde que expressamente regidos pelo Estatuto dos Funcionários Públicos Municipais de Itapeva, em exercício junto à Prefeitura Municipal, Câmara Municipal, Autarquia e Fundações Públicas do Município de Itapeva.
Outra emenda do vereador Tarzã assegura que o IPMI até a aquisição de sua sede própria poderá contar para seu funcionamento, com espaço e equipamentos cedidos pelo Poder Público Municipal.

O vereador Margarido apresentou emenda assegurando que a partir da data da instituição do IPMI como personalidade jurídica, a folha de inativos, pensionistas e os atuais servidores públicos regidos pela Lei 009/1982, serão custeados pelos Entes empregadores através de repasse ao IPMI. (Da assessoria de co,unicação da Prefeitura de Itapeva, com informações da assessoria de imprensa da Câmara Municipal de Itapeva)

Compartilhar

Notícias relacionadas