Itararé: seca e altas temperaturas prejudicaram a agricultura e o abastecimento das entidades

granizoLagarta2_Helicoverpa_armigera

Um relatório divulgado na quinta-feira da semana passada, pela Secretaria Municipal de Agricultura de Itararé apontou danos – devido a seca, altas temperaturas e pragas – para agricultura, principalmente aos pequenos produtores responsáveis pelo abastecimento das entidades assistenciais locais, atendidas pelo programa federal PAA (Programa de Aquisição de Alimentos).

O relatório, assinado por José Roberto Cogo (secretário de Agricultura e Pecuária) e pelo engenheiro agônomo José Eduardo M. Waltemberg, aponta que neste início de ano o município e a região estão enfrentando inúmeras adversidades, como:

"Clima: A temperatura está acima da média (A maior média dos últimos 71 anos), sendo acompanhado de períodos de seca, que vem se acentuando desde o inicio da estação chuvosa. Como consequência estamos com falta de água na cidade desde dezembro passado e no campo muitos açudes estão secando, as minas diminuindo a quantidade de água e os poços diminuindo a vazão.

A união de altas temperaturas e seca tem causado quedas acentuadas na produção, qualidade e na produtividade dos agricultores familiares.

MOSCA BRANCA: Concomitante a isso temos uma severa infestação de “mosca branca” com um agravante, este ano a mosca esta transmitindo “viroses” para as culturas. (Obs do ItapoNews: segundo a Embrapa, esse inseto não é prejudicial ao ser humano).

HELICOVERPA ARMIGERA: Soma-se aos dois fatos anteriores a infestação de “Helicoverpa armigeira” que, no ano passado atacou principalmente as lavouras de soja e trigo, mais neste inicio de ano está infestando as verduras e legumes dos agricultores familiares.

Lagarta2_Helicoverpa_armigera

CHUVA DE GRANIZO: No entardecer do ultimo dia oito de fevereiro, tivemos uma chuva acompanhada de vento e granizo que prejudicou, ainda mais a produção de nossos agricultores familiares, chegando em alguns casos á 100% de perda.

granizo
Diante do exposto acima é nosso dever avisá-los com antecedência sobre todas as quedas de produção que estamos enfrentando, podendo ainda, caso não venha a normalidade das chuvas a se agravar ainda mais".
Atenciosamente, José Roberto Cogo e José Eduardo M. Waltemberg.

Compartilhar

Notícias relacionadas