Judiação: boias-frias levam calote de mais de R$ 60 mil em arranca de feijão em Itaporanga (SP)

Um grupo de cerca de 40 trabalhadores rurais, pais de famílias, foram contratados verbalmente por um empregador rural do Bairro Rio Verde, Itaporanga-SP, para realizarem arranca (colheita) de feijão, por empreita estimada em R$ 60 mil reais.

Os trabalhadores, que ganhariam em média R$ 150 reais cada um por dia, realizaram o serviço em mais de uma semana. e com isso teriam direito a mais ou menos R$ 1 mil reais cada um da última semana. Ocorre que não receberam direito os dias da semana anterior e portanto cada um teria mais ou menos R$ 1.500,00 para receber. No final da colheita, no dia 05 deste mês o empregador disse a eles que passaria na casa de cada um para efetuar o pagamento, o que acabou não acontecendo e, segundo eles, o contratante desapareceu. Comenta-se que teria abandonado o carro em um posto de gasolina e fugido, levando consigo mais de R$ 60 mil, para o estado de Santa Catarina.

Diante disso, um grupo compareceu na Delegacia de Polícia de Itaporanga para registro de um boletim de ocorrência de preservação de direitos.

Sobre isso, o delegado José Carlos Fernandes comentou que não se trata de crime comum e por isso foi feito um registro de preservação de direitos.

“Eu acredito que no Juizado Especial Cível de Itaporanga daria para resolver. Na Justiça Trabalhista seria com contrato firmado entre as partes. Isso, apesar de que na área processual cível ocorreram várias mudanças ultimamente”, finalizou.

Compartilhar

Notícias relacionadas

Se inscreva
Notificação de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 Comentários
mais novo
mais velho mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Indignada
Indignada
15 de dezembro de 2020 10:28

Entendo que neste caso existe o Contrato verbal. E com a atitude desonesta do contratante eles tem muito mais para receber além do valor não pago.

fael
15 de dezembro de 2020 00:25

coitado do pessoal levantar na madrugada pra conseguir o pão de cada dia pra família e o safado do patrão some com o dinheiro deles… injustiça de mais isso ai… alguém teria que apoiar esse pessoal ajudar eles a encontrar esse cara