Riversul: patrimônio público abandonado; prefeito diz que tem outras prioridades

Riversul – Depois de receber pela seção “contato” deste site, inúmeras denúncias e reclamações de riversulenses moradores locais e de outros que residem fora, indicando que a única opção de lazer da cidade (um conjunto esportivo composto de piscinas, sauna, lanchonete e palco para show) estaria abandonado pela atual administração, o Itaponews foi averiguar e acabou comprovando mesmo o abandono, registrado na série de fotos. Porém, o prefeito alegou que não pode deixar os setores de primeira necessidade, como Saúde, Educação e Assistência Social, na mão.

 

 

Centro Municipal de Lazer de Riversul

Denominado de Centro Municipal de Lazer, esse patrimônio apresenta vidros quebrados em todos os setores, banheiros danificados sem portas, piscinas, inclusive uma semi-olímpica e uma infantil com águas paradas e por isso já apresentando tom esverdeado escuro, estoque de produtos químicos para tratamento das piscinas em grande quantidade, avaliados em aproximadamente R$ 20.000,00, mas, próximos de atingirem o prazo de validade, casa das máquinas (filtros) já escurecidos e onde era sauna virou um depósito de entulhos.

Piscina semi-olímpica

Apesar do pouco calor que fazia na tarde desta sexta-feira, a reportagem não presenciou, mas, fala-se que ultimamente crianças têm brincado naquela água suja e esverdeada, onde tinha até um sapo morto. As cenas na seqüência de fotos dispensam descrição do abandono de um bem público que deve ter custado muito o dinheiro do contribuinte, e que no passado foi orgulho dos moradores locais e palco de um dos maiores bailes do Hawai da região.

Porém, a reportagem apurou que esse abandono não é responsabilidade só da atual administração do prefeito Marcelino Bíglia(PHS), reeleito em 2008 . Construído na última gestão do ex-prefeito Nilson Lopes, na qual segundo alguns moradores o Centro funcionou bem e tinha funcionários e manutenção adequadas, o conjunto começou a ser abandonado na gestão do ex-prefeito Carlos César Diniz, que teria liberado as piscinas sem que os usuários fizessem exames médicos, passou pela administração de Rubens Rabelo da Silva sem ser usado, da primeira gestão do atual prefeito e continua nesses quase nove meses do primeiro ano de sua 2a. gestão.

Ex-prefeito Nilson Lopes "Paraná"Procurado pela reportagem, o ex-prefeito Nilson Lopes “Paraná” lamentou o descaso dos seus sucessores. “Nós precisávamos oferecer lazer para nossa população e conseguimos isso do Governo do Estado, através da Secretaria de Esporte e Turismo. Foi uma luta. Muitas reivindicações, muitos pedidos a deputados, e enfim, conseguimos isso para o município. O projeto original não tinha uma piscina para crianças e a construímos; não tinha rampa para cadeirantes, mandamos fazer. Fazíamos os maiores bailes do Hawai, em benefício da APAE. Os funcionários que trabalhavam no local, recebiam cursos que eram feitos fora, em outros centros do gênero, para que pudessem atuar da melhor maneira possível. Agora vejo com muita tristeza isso tudo abandonado, faltando lazer para o povo, principalmente para as nossas crianças e jovens e o que é pior ainda: aquela água parada no centro da cidade, oferecendo risco de saúde para a população.  Dinheiro público não é para ser jogado fora, mas, para ser bem usado em benefício da comunidade. Pelo que estou percebendo, o que não dá lucro para eles (administração) é simplesmente abandonado”, desabafou “Paraná”, atribuindo parte dessa responsabilidade ao Poder Legislativo dos vários mandatos que o sucederam. “Naquela época os vereadores nos cobravam ações e nos fiscalizavam mesmo pra valer”, finalizou.

O vereador Reinaldo Leite de Camargo(PSDB), que foi presidente da Câmara no último biênio da 1a. gestão do prefeito Marcelino Bíglia, disse que o Legislativo devolveu ao Executivo R$ 64.767,79 para que o prefeito usasse  na reativação do referido centro, conforme foi combinado, e mostrou reportagem que registrou isso na época.

Prefeito Marcelino BígliaOs ex-prefeitos Carlos César e Rubens Rabelo da Silva não foram ouvidos. Já o prefeito Marcelino Bíglia, apresentando relatórios de arrecadação e despesas, disse que não há dinheiro para os reparos e manutenção, pois, com a queda de arrecadação está tendo dificuldade até para cobrir a folha de pagamento. Num primeiro momento ele disse que pretendia esvaziar as piscinas e num segundo, disse que vai reativar. “Agora, em setembro e outubro, que é a época certa, faremos isso. Sobre o repasse da Câmara, R$ 37.000,00 é para a reativação do matadouro”, observou.

Questionado se isso no entender dele seria considerado abandono de um bem público municipal, ele disse que não. “O lazer é importante para a população, mas, eu tenho outras prioridades, coisas de primeira necessidade, como a Saúde, Educação e Assistência Social, por exemplo. Não posso deixar esses setores na mão. Não posso investir numa coisa que traz benefício apenas para meia dúzia de pessoas”, ressaltou, e, finalizando, criticou o Governo Federal por, nos últimos tempos ter reduzido os valores mensais de repasse do Fundo de Participação dos Municípios, enquanto se gasta uma fortuna bilionária na compra de caças-aviões da França.

O Itaponews  apurou que o orçamento de Riversul deste ano é de R$ 9.815.767,00 e que disso, R$ 9.142.777,50 já entraram na conta do município. Comunicar erros 
 Veja fotos

Piscina infantil

Estoque de produtos químicos para tratamento já quase vencendo.

 

  

 

  

 

  

 

Compartilhar

Notícias relacionadas