Pesquisa científica de grupo da Medicina/Unesp/Botucatu participa de conferência mundial sobre Aids

Pesquisadores da Faculdade de Medicina/Unesp (FMB) participaram entre os dias 18 e 23 de julho, da 18ª Conferência Internacional sobre Aids. Realizado em Viena, na Áustria, o evento, reuniu autoridades, especialistas médicos, dirigentes de organizações de 197 países e abordou temas que variaram desde as novas perspectivas de tratamento da doença a discriminação social dos infectados pelo vírus HIV.

Alexandre Naime Barbosa, prof. Deílson Elgui de Oliveira e Rachel de Oliveira Leda apresentaram, na oportunidade, o estudo “Polimorfismos de base única (SNPs) de genes codificantes de citocinas em pacientes com infecção pelo HIV no Brasil”- fruto de parceria entre o Serviço de Ambulatórios Especializados e Hospital Dia “Domingos Alves Meira” e do Laboratório de Patologia Molecular da FMB.

Uma das poucas pesquisas brasileiras selecionadas para a conferência, o estudo analisou as diferenças genéticas que fazem a Aids se desenvolver de forma heterogênea entre os infectados pelo HIV. Foram encontrados alguns SNPs – pequenas mutações genéticas que podem levar a grandes mudanças de comportamento em doenças- que podem estar relacionados com uma pior resposta imunológica e progressão mais rápida para a enfermidade.

O estudo teve duração de quatro anos e envolveu a análise de 140 pacientes atendidos pelo SAE Hospital Dia “Domingos Alves Meira”, em Botucatu. Durante o período, oito pesquisadores analisaram o comportamento genético do vírus e suas mutações genéticas. Segundo a análise, os resultados podem auxiliar em futuras terapêuticas contra o HIV.

“Na prática, o aperfeiçoamento do conhecimento dessa ferramenta no futuro pode permitir ao médico iniciar mais precocemente a terapia antiretroviral (coquetel anti-HIV), em pacientes com alto risco de adoecimento”, explica o médico infectologista do Hospital Dia, Alexandre Naime Barbosa sobre as possibilidades obtidas através da análise das SNPs.

Além da apresentação do estudo, os pesquisadores da FMB também participaram de atividades em prol dos direitos humanos, como marchas pelas ruas da capital austríaca, organizadas pela cantora Annie Lennox. A mobilização foi um apoio à luta do líder sul-africano, Nelson Mandella, contra a disseminação da Aids na África (Da Assessoria de Comunicação e Imprensa do HC/FMB/Unesp/Botucatu)

Compartilhar

Notícias relacionadas