Presidenta Dilma viaja para a China na sexta-feira,8: em coletiva, porta-voz fala à imprensa

O porta-voz da Presidência da República, Rodrigo Baena Soares, em entrevista coletiva falou hoje a jornalistas adiantando o que a presidenta Dilma Rousseff tratará nessa visita oficial feita a convite do Governo Chinês. Segundo ele, 250 empresários brasileiros deverão acompanhar, por conta própria, a presidenta brasileira.

Nessa coletiva, repassada na íntegra, percebe-se que muitos repórteres que cobrem o Palácio do Planalto não estão preparados para a função. Alguns esqueceram o objetivo maior, e,  talvez, sem terem o que perguntar, fizeram perguntas desnecessárias, do tipo: a que horas a presidenta viaja e a que horas ela chega na China, e se haverá escalas e o que ela fará nessas. Confira na íntegra.

Palácio do Planalto, 05 de abril de 2011


Porta-Voz: Boa tarde. Podemos? Presidenta Dilma Rousseff viajará à China na próxima sexta-feira, oito de abril, onde realizará a visita de Estado e participará da reunião de cúpula dos BRICs e do Fórum Econômico Asiático, Fórum de Bo’Ao.

A relação Brasil-China é bastante ampla, diversificada, data de 1974, quando foram estabelecidas relações diplomáticas; em 1993, lançamos a parceria estratégica Brasil-China, que sinalizava o reconhecimento recíproco do potencial de complementaridade entre os dois países, dois grandes países em desenvolvimento; em 2004, instituiu-se a Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível, a Cosban; e, em 2010, o Plano de Ação Estratégico para o período 2010-2014. 
 

É o primeiro encontro da presidenta Dilma com altas autoridades chinesas. Na área comercial, estamos trabalhando para diversificar a nossa pauta de exportações, de modo a agregar valor aos nossos produtos. Queremos reciprocidade, isto é, aumentar o acesso aos produtos brasileiros no mercado chinês e a participação de nossas empresas no desenvolvimento nacional chinês. 

Houve importantes avanços na área de carne bovina, de frango, e esperamos abrir o mercado chinês para outros produtos, como carne de porco, frutas e outros. Em produtos industriais, o Brasil tem feito, com o Itamaraty e a Apex, um grande esforço de promoção comercial, de diálogo empresarial. Um grande contingente de empresários brasileiros – cerca de 250 – acompanhará a presidenta Dilma na viagem à China. Na área de ciência e tecnologia, temos grandes expectativas de progressos na área de inovação e na formação de parcerias. 

Sobre a agenda que a presidenta Dilma cumprirá na China: em Pequim, onde a Presidenta realizará visita de Estado, a convite do governo Chinês, a comitiva brasileira chegará no dia 11 de abril, segunda-feira. No dia seguinte, a Presidenta participa da cerimônia de abertura do Diálogo de Alto Nível Brasil-China em Ciência, Tecnologia e Inovação. No final da manhã, a Presidenta faz o discurso de encerramento do Seminário empresarial Brasil-China: Para Além da Complementaridade. À tarde, haverá cerimônia de boas-vindas do governo chinês, seguida de reunião com o presidente Hu Jintao e o Ato de assinatura de acordos. À noite, o presidente Hu Jintao oferece um banquete em homenagem à presidenta da República.

No dia 13 de abril, a Presidenta encontra-se com o presidente da Assembleia Popular Chinesa, Wu Bangguo, e com o primeiro-ministro Wen Jiabao. Nesse mesmo dia, a comitiva brasileira parte para Sanya, na ilha de Hainan, onde se realizará a reunião de cúpula dos BRICs.

No dia seguinte, catorze de abril, serão realizadas as reuniões dos BRICs. O tema da reunião de cúpula dos BRICs deste ano é “Visão Ampla: Prosperidade Compartilhada. E na sexta-feira, quinze de abril, a Presidenta participa do Fórum Econômico Asiático em Bo’Ao, cujo tema é o Desenvolvimento Inclusivo, Agenda Comum e Novos Desafios. 

De Bo’Ao, a Presidenta segue para a Xian, onde visitará um centro de pesquisa e desenvolvimento. O retorno da presidenta Dilma e da comitiva está previsto para entre os dias 17, domingo, e 18, segunda-feira. 
Estou aberto a perguntas.

Jornalista: No dia 11, que ela chega, tem horário já?

Porta-Voz: Deve ser na manhã do dia 11.

Jornalista: Manhã do dia 11. Ela para nesse meio em algum lugar, porque ela sai no dia 8…

Porta-Voz: Isso está sendo ainda finalizada, a parte da escala técnica.

Jornalista: Essa visita à China começa de manhã, tem alguma programação? Esse centro de pesquisa e desenvolvimento é sobre o que exatamente?

Porta-Voz: É um centro tecnológico chinês…

Jornalista: Mas de que área? Informática? Sei lá, medicamentos? Pode ser alguma (incompreensível).

Porta-Voz: Olha, é de diversas áreas, engloba diversas áreas, dentre as quais medicamentos e biotecnologia.

Jornalista: A Presidente tem na agenda uma previsão de visitar museus, de ter uma agenda livre durante a manhã para eventos culturais?

Porta-Voz: Olha, a agenda privada da Presidenta ainda está sendo definida.

Jornalista: Sobre Xian, vai… Ela pernoita em Xian, ela pernoita em Sanya, depois segue, fica um dia, como vai ser?

Porta-Voz: Ela deve seguir de Xian diretamente de volta a Brasília, com uma escala.

Jornalista: (incompreensível)

Porta-Voz: Sim, sim. Por favor, Carla…

Jornalista: (incompreensível) dia 13, os encontros que ela tem no dia 13, que eu não consegui…

Porta-Voz: Pois não.

Jornalista: (incompreensível) mas não os locais em que serão.

Porta-Voz: Bom…

Jornalista: (incompreensível). Então, do dia 11, quando ela chega, ela não tem agenda, é isso? Ela passa o dia 11 sem agenda.

Porta-Voz: É uma viagem um pouco longa, não é? Mas, no dia 13, repetindo, a Presidenta vai se encontrar com o presidente da Assembleia Popular Nacional Chinesa, Wu Bangguo, e com o primeiro-ministro Wen Jiabao; e, à tarde, a Presidenta segue para Hainan… Para Sanya, na ilha de Hainan.

Jornalista: (incompreensível)

Porta-Voz: Não, os horários estão ainda sendo definidos. Não, ainda não.

Jornalista: Isso será definido em Pequim, na China?

Porta-Voz: Não. Até lá, já estará, antes… e nós informaremos a vocês oportunamente, sem dúvida.

Jornalista: (incompreensível)

Porta-Voz: Não. Sem dúvida, sem dúvida. Será informado.

Jornalista: Agora, (incompreensível), dia 15, ela pernoita em Sanya, ou ela já…

Porta-Voz: Não. Exato, pernoita em Sanya. Pernoita em Sanya.

Jornalista: (inaudível)

Porta-Voz: Exatamente

Jornalista: (inaudível)

Porta-Voz: Exatamente

Jornalista: Agora, sobre a comitiva você tem algum (inaudível)?

Porta-Voz: Não, ainda não tem a comitiva. Os integrantes da comitiva serão informados tenho a impressão de que amanhã, no mais tardar, na quinta-feira.

Jornalista: (inaudível) empresários devem ir por conta própria?

Porta-Voz: Devem ir por conta própria e se encontram com a Presidenta na China. Pois não.

Jornalista: Boa tarde.

Porta-Voz: Boa tarde.

Jornalista: Sobre a agenda da Presidenta com o presidente Hu Jintao. Está contemplada a cobrança sobre a situação na Líbia e sobre a ambição do Brasil de ocupar uma vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU?

Porta-Voz: Olha, a agenda das discussões da presidenta Dilma com o presidente Hu Jintao está sendo elaborada e ainda não posso adiantar qualquer item da agenda.

Jornalista: Oi, eu queria saber se já tem algum detalhe sobre a quantidade de acordos, atos, que devem ser assinados.

Porta-Voz: Bem, os acordos estão sendo negociados. Agora, eu posso adiantar a vocês algumas áreas desses acordos, que serão assinados por ocasião da visita da presidenta Dilma, que versam principalmente sobre Ciência e Tecnologia, inovação, cooperação no campo dos recursos hídricos, na área educacional e também haverá um expressivo número de acordos do setor privado.

Jornalista: Porta-Voz, já tem quais são os ministros que vão acompanhar a comitiva?

Porta-Voz: Como eu acabei de informar, a comitiva está sendo ainda finalizada e nós informaremos oportunamente. 

Jornalista: (inaudível) o Fernando Pimentel é um ministro que está certo que vai.

Porta-Voz: Não, tanto o chanceler Antonio Patriota quanto o ministro Fernando Pimentel estiveram na China, como todos sabem, em março em uma viagem preparatória à visita da Presidenta. 

Jornalista: Algum familiar da Presidenta?

Porta-Voz: Perdão.

Jornalista: Algum familiar da Presidenta?

Porta-Voz: Não, ainda não está definido isso.

Jornalista: (inaudível)

Porta-Voz: Perdão.

Jornalista: (inaudível)

Porta-Voz: Não tenho essa informação.

Jornalista: Essas áreas que o senhor falou dos acordos, deu a entender que isso faz parte da visita de Estado da bilateral. Para os BRICs tem expectativa de acordo também em alguma área (inaudível)?

Porta-Voz: Não tenho essa informação.

Jornalista: (inaudível)

Porta-Voz: Olha, essas questões cambiais dizem respeito ao conjunto do sistema monetário internacional. Não é uma ou outra moeda isoladamente. E quero lembrar ainda que essa questão está sendo discutida no âmbito do G20…

Jornalista: O senhor sabe me dizer o horário…

Porta-Voz: Pois não, Leonêncio. Sim.

Jornalista: …me informar o horário em que ela embarca aqui em Brasília e o horário que ela chega em Pequim.

Porta-Voz: A Presidenta deve embarcar na sexta-feira à noite.

Jornalista: E a chegada lá?

Jornalista: E a chegada a Pequim?

Porta-Voz: A chegada a Pequim deve ser no dia 11 [de abril], como eu informei, pela manhã.

Jornalista: E aí, esse caminho vocês também vão divulgar?

Porta-Voz: Nós vamos divulgar.

Jornalista: Divulgar a parada que ela fará estrategicamente antes de chegar em Pequim.

Porta-Voz: Vamos divulgar, vamos divulgar. Certamente, vamos divulgar.

Jornalista: E aí será, desculpa, será só a parada ou ela tem algum compromisso nesse lugar?

Porta-Voz: Ainda não há definição sobre isso, mas nós informaremos.

Jornalista: Mas pode acontecer?

Porta-Voz: Pode acontecer.

Jornalista: (inaudível)

Porta-Voz: Não, ainda não temos.

Jornalista: (inaudível)

Porta-Voz: Não, mas essa informação sobre escalas será transmitida a vocês tão logo possível. Está bem? Bem…

Jornalista: (inaudível) qual é a principal mensagem dessa visita da perspectiva do governo brasileiro?

Porta-Voz: Como eu mencionei no início do briefing, a Presidenta quer levar uma mensagem de que, no plano… elevação do diálogo político entre os dois países… Eu vou lembrar aqui a primeira visita da Presidenta, na sua nova qualidade, à China – a Presidenta já esteve na China no ano de 2004, na qualidade de ministra das Minas e Energia – e há diversos assuntos de natureza comercial com abertura de mercados. Como eu mencionei, a palavra reciprocidade é importante nesse aspecto, a abertura de mercados para nós, para as empresas brasileiras na China. Importantes parcerias a serem estabelecidas na área de inovação, na área de Ciência e Tecnologia e vários outros temas que serão discutidos por ocasião da visita.

Jornalista: Foi um convite do governo chinês?

Porta-Voz: Foi um convite do governo chinês, um convite para uma visita de Estado da Presidenta.

Jornalista: A Presidente espera (incompreensível) o senhor fala “abertura de mercados”, ela acredita que essa viagem possa fazer com que, efetivamente, também os empresários presentes, efetivamente, se abram mais mercados? Esses produtos, como o senhor citou, esses produtos agrícolas e outros podem, a partir desse encontro, participar já do comércio bilateral? Ou seja, o Brasil pode começar a (incompreensível) esses produtos(incompreensível)?

Porta-Voz: Como eu mencionei anteriormente, já houve progressos em carnes, por exemplo. E se espera que, com essa visita, se possam abrir ainda mais os mercados para os produtos brasileiros, não só agrícolas, mas também industriais. Bem… Por favor.

Jornalista: Sobre a agenda dela em Xian, ela está indo lá por uma motivação… pode-se dizer que é uma motivação política, já que é a cidade natal do Xing Jin Ping e tudo o mais?

Porta-Voz: Não

Jornalista: É um gesto…

Porta-Voz: O principal propósito da visita é visitar o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico que há em Xian. Está bem? Bem, muito obrigado a todos. (Com a Secretaria de Comunicação da Presidência da República)

 

Compartilhar

Notícias relacionadas