Professor Osvaldo Lúcio Martins falece aos 90 anos; veja quem foi ele

O estimado professor Osvaldo Lúcio, uma das referências nesta região, faleceu neste domingo (10/05), aos 90 anos. Ele vai deixar saudades às várias gerações de itaporanguenses, riversulenses, itarareenses e baronienses que por suas mãos passaram. O seu corpo está sendo velado no Velório Municipal de Itaporanga e o sepultamento será logo mais às 17h.

Deixa a esposa Rosa Sakaguchi Martins e quatro filhos: Osvaldo Lucio Júnior, Eduardo, Rosamaria e Terezamaria; seis netos: Sarita, Osvaldo Lucio Neto, Sergio, Deborah, Julia e Patrícia; e o bisneto Miguel.

QUEM FOI OSVALDO LÚCIO MARTINS

Osvaldo Lúcio Martins, filho de Antonio Lucio Martins e Tereza Lucio Martins, nasceu na então Ribeirão Vermelho do Sul (Riversul), em 18/07/1929. Fez os primeiros estudos em Riversul e cursou o Magistério em Itapeva/SP.

Em meados de 1950, freqüentou o Curso de Técnico em Contabilidade no Colégio Dom Pedro II, e cursou, simultaneamente, a Faculdade de Educação Física na Universidade Federal de São Carlos/SP, se formando em 1954. Fez Complementação pedagógica na Faculdade de Avaré/SP.

Antes da década de 1960 veio para Itaporanga. Aqui lecionou aulas de Latim e Educação Física na Escola Estadual Epitácio Pessoa, nos primeiros anos desta escola. Posteriormente, veio a ser assistente de diretor do mesmo estabelecimento.

Lecionou também em Itararé/SP, em Riversul/SP e foi assistente de diretor na escola estadual da cidade de Barão de Antonina/SP, até a sua aposentadoria.

O professor Osvaldo Lucio teve o privilégio de exercer seu trabalho num período da nossa história que respeitava e valorizava o magistério: o professor tinha capacidade para o exercício da função e autoridade para passar ensinamentos e cobrar deveres do estudante. Era uma figura amada e idolatrada pela sociedade, pois, além de cumprir rigorosamente a parte da escolaridade, ia além, na complementação da educação que os pais davam aos filhos em casa.

Raríssimas exceções dos estudantes que passaram por suas mãos e pelas de outros educadores da época trilharam o caminho do mal. Ele era rigoroso na cobrança de estudo, respeito, ética, trabalho e moral, valores que contribuíram muito para a evolução e formação de caráter e dignidade de várias gerações de itaporanguenses, riversulenses, itarareenses e baronienses. Não permitia indolência e imperfeição. Em ensaios para desfiles cívicos, frequentemente disparava a um ou outro que tentava uma gracinha: “Preste atenção e marche direito o boca-mole!”

Filantropo e preocupado com problemas sociais de crianças e adolescentes, contribuía e estava sempre liderando projetos, como a guarda-mirim, por onde passaram muitas personalidades que hoje se destacam em todos os meios. Fez parte da diretoria do hospital local, onde várias vezes chegou a tirar dinheiro do bolso para socorrer essa casa de saúde. Andava de carro velho mas, procurava não deixar essas instituições perecerem.

Dinâmico e ousado em inovações, Osvaldo Lucio conciliava a função de professor com a de agricultor e criador de gado de leite, que acreditava na força da terra para produção de alimentos. Foi pioneiro na introdução do cultivo do trigo em Itararé nos anos 60, cuja colheita contou com a presença do Presidente da República na época.

Foi responsável pela construção das duas primeiras quadras poliesportivas de Itaporanga: a antiga quadra do clube de Baixo, situada na rua Dr. Felipe Vita, na década de 60 e, mais tarde, a quadra da Escola Estadual Epitácio Pessoa. Para a construção das quadras empregou funcionário e trator próprios e contou com a ajuda de alunos, colegas, munícipes e comerciantes.

Muito atuante, organizava desfiles com estudantes e paradas de todas as escolas do município, até então não presenciados na cidade. Em Riversul e Barão de Antonina organizou fanfarras com vários instrumentos de percussão, metais e de sopro. Organizou ainda concursos de bandas e jogos intermunicipais, sempre contando com a colaboração de alunos, colegas, diretores das escolas, prefeitos da cidade e voluntários.

Juntamente com o Rotary Clube e voluntários monitorou a guarda mirim de Itaporanga.

Paralelamente às inúmeras atividades desenvolvidas, foi agricultor, sendo um dos pioneiros na implantação da cultura de trigo no estado de São Paulo, na década de 1960, na região do Itararé/SP, cuja colheita foi inaugurada com a presença de autoridades governamentais do estado, inclusive, com a presença do Presidente da República (de transição) Ranieri Mazilli, e também engenheiros agrônomos da CATI de Campinas/SP.

No ano de 2016, no tradicional Encontro dos Amigos Itaporanguenses, o professor Osvaldo Lúcio Martins foi um dos homenageados. Reveja aqui:

Compartilhar

Notícias relacionadas