Rancho Tapera Veia: amigos e familiares se reúnem para almoço com o padre João Carlos, que é do próprio Bairro São Sebastião

O Rancho Tapera Veia do Donizete, no Bairro São Sebastião, teve um sábado (25) pra lá de especial. É que amigos e familiares receberam para um almoço o filho ilustre, o padre João Carlos, que é itaporanguense do próprio Bairro São Sebastião, e que foi aluno das professoras Catarina Consani e Maria Cecília.

O padre João Carlos tem uma história bonita de vida, luta e superação. Na infância, sofreu paralisia infantil, mas com ajuda da família, amigos e principalmente do padre Deodato (Frizo Tem Kate), monge da Abadia Nossa Senhora da Santa Cruz, de Itaporanga-SP, estudou e foi ordenado padre em Cotia-SP.

“Eu conheci em Itaporanga o Pe. Deodato, monge Cirtenciense, que me ajudou e acompanhou o meu tratamento em São Paulo, para que eu pudesse andar com auxílio de ortese e muletas. Para iniciar o tratamento precisava ficar mais próximo de São Paulo, e ele (Pe. Deodato) me levou ao Pequeno Cotolengo Paulista, em Cotia-SP.
Morando nessa obra, inicie o meu tratamento de correções ortopédica nas pernas.

Através do contato com os trabalhos dos religiosos orionitas, acabei entrando para o seminário em 1992.

Hoje sou padre da Congregação Dos Padres da Pequena Obra da Divina Providência – Padres Orionitas. Estou na nossa obra de caridade em Cotia, inserida na Diocese de Osasco-SP. Além do meu trabalho na Instituição, na formação de futuros religiosos, eu auxílio nas celebrações na Paróquia Santo Antônio da Granja Viana”, contou o padre João Carlos.

SOBRE O PADRE DEODATO

Abadia Nossa Senhora de Santa Cruz (O.Cist), Itaporanga-SP, publicou no dia 16/01/2020 em sua rede social Facebook, uma lembrança do padre Deodato, que foi um dos seus primeiros monges ordenados padres, no ano de 1958.

“NECROLÓGICO MONÁSTICO do dia 16/01/2020

Hoje fazemos memória do 24º falecido da Abadia de Nossa Senhora da Santa Cruz: o Rev. Pe. Deodato Ten-Kate, falecido no dia 16 de janeiro de 1997.

Breve biografia:

O Rev. Pe. Deodato Maria (nascido Friso) Ten-Kate nasceu em Arnhem na Holanda (Reino dos Países Baixos) no dia 26 de agosto de 1923. Teve uma rigorosa educação em sua abastada família presbiteriana, a qual empreendia em uma indústria têxtil.

Os anos da 2ª Guerra Mundial certamente foram marcantes para o jovem Friso, o qual vivenciou o período da ocupação alemã de seu país pelo regime nazista, que intencionava dominar vários países europeus. Nos últimos meses da guerra, porém, temendo ser deportado para a Alemanha a fim de realizar trabalhos forçados, tentou ir à Suíça, onde possuía um tio militar. Contudo, cruzando o território alemão com papéis falsos, foi detido e feito prisioneiro até o término da Guerra em 1945.

Com o fim da Guerra, então, pode voltar para a Holanda, onde acaba sendo convocado para o serviço militar na Indonésia, um país da Ásia membro do Império Colonial Neerlandês e que, na época, lutava por sua independência.

De volta à pátria, porém, converteu-se ao catolicismo, tendo escolhido o nome de João Francisco (forma aportuguesada) em seu batizado. Esse período, central na vida de Friso desabrochou em si o desejo de abraçar a vida consagrada, fazendo-o ingressar no Mosteiro Cisterciense de Marienkroon em seu próprio país, entrando no noviciado no dia 07 de outubro de 1951, recebendo o nome de Irmão Deodato.

Devido à sua experiência com o clima tropical na Indonésia, porém, julgou ser este mais propício à sua pessoa do que o clima temperado da Europa, fato que o influenciou a pedir a sua transferência para o mosteiro cisterciense fundado por alemães em Itaporanga – SP, na época certamente noticiado devido à sua recém elevação à Abadia, ocorrida em 1950. Em Itaporanga, então, terminando o seu noviciado fez os seus votos no dia 25 de dezembro de 1952.

Como religioso, mostrou-se, no início, muito observante. Contudo, estava sempre muito alegre e disponível, como era próprio de sua personalidade extrovertida.

Ordenado sacerdote no dia 06 de janeiro de 1958 exerceu atividades diversas, tendo sido encarregado por Dom Atanásio de obter auxílio financeiro no estrangeiro para a construção da Igreja de São João Batista que estava sendo iniciada. Isso devido ao seu notável talento para o bom trato com as pessoas, e também devido à sua habilidade comunicativa, já que era um jovem poliglota, falante do holandês, alemão, inglês, francês, português e do latim. Esteve, assim, nos Estados Unidos da América.

Nisso se revela um ponto de convergência com seu Abade, o qual desempenhara a mesma função quando trapista na Bósnia.

O Rev. Pe. Deodato também tinha muito zelo para com a população e, sobretudo, para com os jovens, realizando um trabalho de assistência social, levando pessoalmente crianças pobres e com problemas de saúde para serem atendidas na pediatria de Santa Casa de São Paulo, em parceria com Dr. Rosenburgo e, também de seu sucessor e genro, Dr. Paulo de Barros França.

Também dava assistência às irmãs religiosas que trabalhavam com enfermagem, além de ter iniciado uma espécie de abrigo (orfanato) em Ilhabela – SP num local que fora lhe doado. Em Itaporanga fundou em 1995 a Comunidade Coração de Maria para o cuidado de dependentes químicos.

Pe. Deodato era um homem culto, dedicava-se assiduamente à leitura na cela, também possuía muita cultura musical erudita. Tinha interesse por teologia, espiritualidade e cultura geral. Deu aulas no noviciado e ajudava, também, no trabalho pastoral celebrando nas capelas rurais.

Como cantor, era um grande conhecedor de Canto Gregoriano Cisterciense, os quais modificava-os conforme seu vasto conhecimento. Foi um grande estudioso da liturgia cisterciense, à qual, teve sempre predileção mesmo após as reformas litúrgicas originadas do Concílio Vaticano II.

Possuía a rara qualidade de não ser capaz de falar mal de ninguém. Desculpava a todos e ensinava sempre a compaixão e a misericórdia. Estimado, era muito procurado pelos irmãos do Mosteiro e por paroquianos para confissão, insistindo sempre nestas virtudes. Era muito amável e simpático com todos, sempre pronto a prestar ajuda, era um homem de paz.

Com problemas no fígado veio a falecer na Santa Casa, em São Paulo, às 23 horas, do dia 16 de janeiro de 1997. Ele contava com 74 anos incompletos, 45 anos de profissão e 39 anos de sacerdote.

Que sua alma descanse em paz!
Comunidade Coração de Maria – Itaporanga SP”

Compartilhar

Notícias relacionadas