Retrocesso na Democracia em Avaré: Poder Legislativo proibe a Palavra Livre

Numa bem articulada e de acordo com os interesses da situação, principalmente do prefeito Rogélio Barchet, que concorre à reeleição, a Câmara Municipal de Avaré aprovou na noite desta segunda-feira, 6, uma propositura – talvez inédita nos Poderes Legislativos Municipais dos 5.565 municípios brasileiros – que proibe o vereador de se manifestar na Tribuna da Casa durante o tempo destinado à Palavra Livre, válido somente neste período eleitoral.

A aprovação desse absurdo que amordaça o vereador avareense contou com apoio dos vereadores Rípoli(radialista), Clivati, Canovas, Roberto Araujo e Tucão.

O motivo disso de acordo com algumas fontes é o de impedir, nessas palavras livres, que vereadores de oposição tragam à tona fatos que possam ser relembrados referentes aos vários escândalos e CPIs que foram abertas durante a atual gestão para apurar possíveis irregularidades e malversação de dinheiro público na administração do prefeito Barcheti. Tais fatos poderiam prejudicá-lo durante a campanha.

O prefeito Barcheti foi do PSDB durante quase todo este mandato, tendo sido inclusive membro do Conselho de Ética do partido. Se dizia amigo pessoal do governador Geraldo Alckmin, mas, no final do ano passado mudou para o PR.

Essa proibição frustou os vereadores e eleitores avareense que acompanhavam pelo rádio a atuação de seu vereador durante as sessões. O caso absurdo está sendo amplamente repercutido agora através da internet pelas redes socias.

"Temos que divulgar, para que todos saibam, que a Palavra Livre, na Câmara Municipal de Avaré, foi cassada pelos seguintes vereadores, ou se preferirem, censores: Roberto Araujo, Ripoli, Clivatti, Tucão, e Jair Canovas. Às vésperas das eleições, essa atitude é um descalabro. Imaginem o que vem por ai. Infelizmente, a cada dia perco as esperanças de que Avaré saia do atraso em que está há tantos anos. Pobre Avaré!", registrou a internauta Marisa Pires Novaes.

"Avaré era uma cidade de quinta categoria. Hoje, após a sessão de câmara, com a proibição da palavra livre, passa para a sexta posição. E vai piorar", disse o médico Benami Francis Dicler

"Foi um dos piores momentos desta Câmara. É a instalação da censura da palavra de um parlamentar. Poio, Rosângela e eu argumentamos de todas as maneiras, mas infelizmente eles tinham os 5 votos necessário a aprovação desse absurdo", desabafou o médico e vereador Ernesto Albuquerque, que tinha a intenção de se manifestar sobre assuntos importantes do município, dentre esses, informar que o poste de Zona Azul que foi retirado da Rua Rio Grande do Sul(entre as ruas Santa Catarina e São Paulo), finalmente foi localizado na sede da Guarda Civil Municipal, cujo o chefe é o Secretário de Trânsito Joaquim, a quem serão cobradas as devidas explicações.

Compartilhar

Notícias relacionadas