Riversul lança o Programa Criança Feliz, do Ministério do Desenvolvimento Social

 

No início da noite desta segunda-feira (24), com a presença de mais de 100 famílias beneficiadas, o prefeito Guilherme Gomes, junto com a sua esposa e primeira-dama Emília Gomes (que é também presidente do Fundo Social), Maria Lúcia, esposa do vice-prefeito Marcão, Jone Duarte, gestor de Assistência Social e sua equipe, e a diretora de Educação Marta Batista, fez o lançamento do Programa Criança Feliz, do governo federal, através do Ministério do Desenvolvimento Social.

Primeira-dama Emília Gomes

Falando sobre o novo programa, a primeira-dama Emília Gomes agradeceu as famílias presentes, o marido Guilherme por apoiar a iniciativa e agradeceu também o gestor Jone Duarte e sua equipe por se empenharem em trazer o Criança Feliz, que sem dúvida irá refletir no município.

“Pesquisas científicas, experiências de outros países, já comprovaram que a atenção dedicada logo no início da vida da criança de – 0 a 3 anos – a partir de atos simples como brincar e ler uma história, podemos estimular as principais áreas do cérebro dos nossos filhos. E o Criança Feliz tem o objetivo de levar tudo isso às famílias, através de profissionais capacitados exclusivamente para essa finalidade, os quais irão orientar os familiares com as melhores maneiras de estimular o desenvolvimento das nossas crianças”, explicou a primeira-dama

Prefeito Guilherme Gomes

O prefeito Guilherme Gomes, também agradeceu a todos e ressaltou o seu compromisso com esse importante programa.

E o gestor de Assistência Social Jone Duarte, explicou os detalhes práticos do funcionamento do Criança Feliz, que contará com o trabalho de três visitadoras e uma supervisora altamente qualificadas nas residências das 100 famílias beneficiadas. Cada visitadora terá um grupo de 30 famílias para dar o atendimento.

O que é o Criança Feliz

Todo mundo torce para que seu bebê se transforme em um vencedor na vida. Estimular as crianças corretamente desde o começo é a melhor maneira de garantir essa vitória.

O Programa Criança Feliz surge como uma importante ferramenta para que famílias com crianças entre zero e seis anos ofereçam a seus pequenos ferramentas para promover seu desenvolvimento integral.

Por meio de visitas domiciliares às famílias participantes do Programa Bolsa Família, as equipes do Criança Feliz farão o acompanhamento e darão orientações importantes para fortalecer os vínculos familiares e comunitários e estimular o desenvolvimento infantil.

Os visitadores serão capacitados em diversas áreas de conhecimento, como saúde, educação, serviço social, direitos humanos, cultura etc. A troca com as famílias será rica e constante. Assim, novos campeões serão criados e a luta pelo desenvolvimento social será vencida.

Para participar do programa, é preciso manter os dados no Cadastro Único atualizados, principalmente quando há grávidas e crianças de até três anos na família.

 

Objetivos do programa

• Promover o desenvolvimento infantil integral;

• Apoiar a gestante e a família na preparação para o nascimento da criança;

• Cuidar da criança em situação de vulnerabilidade até os seis anos de idade;

• Fortalecer o vínculo afetivo e o papel das famílias no cuidado, na proteção e na educação das crianças;

• Estimular o desenvolvimento de atividades lúdicas;

• Facilitar o acesso das famílias atendidas às políticas e serviços públicos de que necessitem;

 

População beneficiária

• Gestantes, crianças de até três anos e suas famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família;

• Crianças de até seis anos beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada e suas famílias;

• Crianças de até seis anos afastadas do convívio familiar em razão da aplicação de medida de proteção prevista no artigo 101 da Lei nº 8.609, de 13 de julho de 1990, e suas famílias.

 

Diretrizes

• Articulação, cooperação e integração intersetorial e multidisciplinar nos três níveis de governo;

• Formulação e revisão das estratégias setoriais com participação dos Comitês Intersetoriais da Primeira Infância, dos Conselhos de formulação e de controle social, das organizações da sociedade civil em nível local com as famílias e as comunidades beneficiadas, em processo dialógico, crítico, propositivo e transparente;

• Cooperação e apoio técnico com Estados, Distrito Federal e Municípios;

• Implementação das ações de forma descentralizada com integração das políticas públicas nos territórios, por meio da coordenação e integração dos serviços saúde, educação, assistência social, meio ambiente, cultura, lazer e instâncias de defesa dos direitos;

• Flexibilidade no estabelecimento de cooperação e implementação das ações do Programa, no sentido de apoiar e reconhecer os modelos de implementação nos estados e municípios;

• Promoção de apoio às famílias no lidar com seus filhos, respeitando a autonomia, a cultura e os direitos dessas e das crianças por meio de visitas domiciliares.

 

Compartilhar

Notícias relacionadas