Riversul não mais encaminhará pacientes para o hospital de Itaporanga

A partir da zero hora do dia 01/01/2012, os casos de saúde (urgência e emergência) da cidade de Riversul não mais serão atendidos no Hospital e Maternidade Nossa Senhora das Graças de Itaporanga, por conta de vencimento de contrato de R$ 30 mil mensais e a manifestação da administração municipal daquela cidade, que fica a 16 quilômetros,  em não mais renovar.

Os casos graves serão encaminhados para as Santas Casas de Itararé ou Itapeva. Até a esta última, a distância é de aproximadamente 70 quilômetros, pelo caminho mais curto(estrada de terra via Itaberá). Já Itararé está mais próximo, 41 quilômetros. 

De acordo com o secretário de Saúde de Riversul, João Augusto de Oliveira, o rompimento com Itaporanga era uma reivindicação da população riversulense. Embora muitos garantam que isso foi decorrente da demora e da qualidade nos atendimentos dos pacientes de Riversul, ele evitou criticar. “Não, não tenho nada contra o atendimento do hospital. A população pediu e o prefeito Marcelino Bíglia atendeu”, disse ele, observando que apenas estava seguindo o que determina orientação da Secretaria Estadual de Saúde, que recomenda que o seu município(Riversul), apesar de mais distante, deve encaminhar os casos para a referência da região, no caso, para Itararé ou Itapeva.

Oliveira explicou também que pelo fato de pertencer a Itapeva e à Regional de Sorocaba, encontrava dificuldade para internação de seus pacientes na referência de Itaporanga, que é Botucatu, regional de Bauru. “Havia muita recusa. Agora não precisarei mais ficar negociando e implorando: mandarei para Itararé ou Itapeva e o que essas não conseguirem resolver encaminharão para a Regional de Sorocaba.

Questionado sobre o risco de por exemplo expor um paciente em estado grave a uma viagem de longa distância, João Augusto disse que não haverá esse risco, pois Riversul possui uma estrutura primária de primeiros socorros que oferece condições de estabilização do paciente para enfrentar essa viagem.

O presidente da Câmara de Riversul, Luciano Aparecido Pinheiro(PTB) não foi encontrado para comentar o assunto. No entanto, o vereador Reinaldo Leite de Camargo, líder da bancada do PSDB, disse que demorou muito para Riversul romper com Itaporanga. “Foi uma boa coisa. Demoravam muito para atender nosso pessoal. Riversul mandava paciente às 7h da manhã e chagava ás 22h e esse paciente ainda não havia sido atendido. Não era justo pagarmos e não termos atendimento para a nossa população. E estava muito caro pagarmos  R$ 30 mil por mês. Fizemos um levantamento, e o custo de cada atendimento estava ficando em torno de R$ 180 reais, mais caro que uma consulta particular”, comentou.

O hospital de Itaporanga atende através de convênio os municípios de Barão de Antonina e Coronel Macedo. Em três tentativas, a diretora superintendente do hospital, Fabiana Lolle não foi encontrada para manifestar-se sobre o caso do rompimento de  Riversul.  

Compartilhar

Notícias relacionadas