Sidnei Almeida: Poupança e/ou Investimento?

Quase sempre é possível confundirmos poupança com investimento, bem como o conceito de poupança com a popular caderneta de poupança, porém a origem e finalidade são distintas, motivo pelo qual vamos tratar deste tema.

Poupança é a parte da renda que não gastamos no período em que é recebido, e por conseqüência, é guardado para ser utilizada em um futuro. Quando tratamos de orçamento pessoal/familiar mencionamos sobre a poupança de segurança e para objetivos futuros.

Apesar da poupança sempre estar ligada a um valor financeiro, também podemos relacionar com bens como combustíveis ou, por exemplo, poupar cimento em uma construção usando tijolos maiores ou menor quantidade de massa entre os tijolos.

Da idéia de utilizar a poupança para uso no futuro surgiu a conhecida caderneta de poupança, que é um dinheiro que depositamos em nosso banco e que para não perder valor temos a correção mensal que busca assegurar que possamos comprar a mesma quantidade de bens possível no momento em que depositamos. Para atrair mais depósitos a caderneta de poupança não possui valor mínimo para iniciar, e pelo fato de estar disponível para saque em qualquer momento, mesmo que sem o rendimento de um mês (só temos garantido o rendimento no aniversário mensal do depósito) a caderneta de poupança tem rendimento baixo, porém é dos investimentos mais seguros.

Notem que é exatamente a caderneta de poupança, que é um tipo de investimento que nos leva a confundir poupança com investimento. Mas então o que é um investimento?

Investimento é a aplicação de algum dinheiro com a expectativa de obter um benefício futuro, por isso que a caderneta de poupança é considerada um investimento, pois tem como benefício manter a capacidade de compra de um valor que poupamos. Porém há diversos outros tipos de investimentos, sendo que alguns encontramos no mercado financeiro, como o CDB, o RDB e fundos de investimento, mas também podemos investir em algum bem ou produção como o gado por exemplo.

Os investimentos mais rentáveis normalmente têm maior risco ou são de prazos mais longos não estando disponíveis para saque a qualquer momento. Desta maneira ao buscar um investimento mais rentável é importante estar disposto a perder, mas principalmente saber que não devemos usar o dinheiro tão logo.

Hoje com a internet e os apps temos acesso a praticamente todo tipo de investimento e informações para maior rentabilidade e maior segurança, aumentando assim investimento em ações por exemplo. Porém, sempre que possível, recomenda-se investir através de alguma empresa que saibamos o endereço e nos certificamos que há alguém para nos orientar e ao final reclamarmos caso não corra conforme esperado, por isso os investimentos através dos bancos acabam sendo mais seguros.

Com estas definições de conceitos, os passos que devemos seguir é poupar, ou seja, não gastar todo rendimento, assim acumulamos algum valor que torna possível investir, o investimento aumenta a renda, a renda maior possibilita poupar mais, e assim entramos em um ciclo virtuoso de nossas finanças pessoais.

Envie sugestões de temas, dúvidas, críticas através do e-mail [email protected] ou através do Messenger do autor (Sidnei Almeida).

Sidnei Almeida, natural de Itaporanga, formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Paraná com extensão em Gestão Econômica Financeira pela Fundação Dom Cabral, além de vasta experiência em grandes empresas na área de financeira e crédito e bancos como Banco do Brasil, HSBC, Banco Renault/Santander e atualmente BNP Paribas, líder europeu.

Compartilhar

Notícias relacionadas

Se inscreva
Notificação de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments