Vítima do acidente de moto continua em estado grave no Hospital de Base de Bauru

gabrielgianisella1O jovem  itaporanguense Gabriel Gianisella que se acidentou de moto no trevo de Coronel Macedo  na manhã de ontem(sábado) quando retornava de Itaberá, continua em estado grave – com traumatismo craniano e coágulo que atinge praticamente todo o cérebro – no Hospital de Base de Bauru. Logo após o acidente ele foi socorrido pelo SAMU de Taquarituba no Pronto Socorro da Santa Casa local, onde permaneceu praticamente o dia todo de ontem na UTI a espera de remoção para um centro médico

com maiores recursos. Essa remoção só se deu às 18h, de ambulância, para o Hospital de Base de Bauru.

De acordo com amigos, logo após dar entrada na Santa Casa de Taquarituba foi constatada a grande lesão e a necessidade de remoção urgente para um outro centro médico. O SAMU regional de Avaré e o seu plano de Saúde AMIL foram acionados.

Logo de início, a AMIL garantiu que enviaria um helicóptero para essa remoção, o que acabou não acontecendo até às 14h, quando ela (AMIL) informou aos familiares que o plano dele não cobria esse serviço. Já o SAMU de Avaré também não pode fazer essa remoção por estar com a UTI móvel com um outro paciente aguardando atendimento no Hospital das Clínicas/Unesp de Botucatu. Durante esta madrugada a AMIL entrou em contato com a família e voltou atrás, se colocando à disposição para fazer remoção que for necessária.

A demora nessa remoção movimentou redes sociais e foi comentado que a família teria dado preferência ao plano de Saúde com a remoção de helicóptero. Mas, de acordo com amigos, isso não procede, e que na verdade, em momento algum os serviços do SUS foram dispensados. “Nós apenas estávamos esperando o que viesse mais rápido”, explicou um amigo que acompanha o caso junto com a família.

No Hospital de Base de Bauru, logo pela manhã deste domingo ele passou por exames que confirmaram se tratar de um quadro gravíssimo, com poucas chances de sobrevivência devido a grande lesão cerebral e o grande coágulo que se formou ocupando praticamente o cérebro todo. Estava prevista para entre 14 e 15h, mais uma visita do médico para avaliação. 

Sabe-se que, diante disso a família já estaria preparada para o pior, e que até teria comentado sobre a possibilidade de doação de seus órgãos.  

Compartilhar

Notícias relacionadas