Tentativa de golpe gerou boato de assalto no Banco do Brasil

Uma ação rápida da Polícia Civil na agência do Banco do Brasil, por volta das 13 horas da última segunda-feira(22), que resultou na prisão de homem que tentava abrir uma conta para dar golpes na cidade e na região, rapidamente foi transformada  num boato dando conta que o estabelecimento bancário tinha sido assaltado e que um dos elementos foi preso.

De acordo com os registros policiais, ocorreu que, na sexta-feira passada(19), dois homens desconhecidos na cidade compareceram na agência e, possivelmente de posse de documentos de outras pessoas, bem como de comprovantes de residências e de rendas, abriram com a maior facilidade contas no Banco do Brasil, obtendo, de imediato, limites de cheque especial e talonários.

Porém, o fato de os dois terem sacado de imediato seus limites de cheque especial, alertou os funcionários, e na segunda-feira(22), um terceiro homem, tentava, usando os mesmos moldes, abrir também uma conta, em nome de JdosSF(que tinha nome limpo e um bom comprovante de renda, inclusive com imposto de renda a pagar).

Rapidamente a Polícia Civil foi acionada e os policiais José Honoredi, João Aleixo e Sérgio Steinert se dirigiram para a agência. Com a chegada destes, o referido homem tentou fugir deixando os documentos sobre a mesa do funcionário, mas acabou preso na rua e conduzido à Delegacia de Polícia de Itaporanga. Mas, durante a curta tentativa de fuga, deliberadamente, ele jogou com violência ao chão os dois aparelhos celulares que trazia consigo, com a finalidade de danificá-los mesmo.

Nos interrogatórios, a polícia apurou a verdadeira identidade do homem:  trata-se de MAFdeA, 37 anos, natural de Itapeva-SP, casado, vendedor de carros e residente em Itararé.  Nas diligências feitas no endereço apresentando ao banco pelo falsário, a polícia não encontrou ninguém com aquela descrição e com aquele nome.

Ainda nos interrogatórios, ele alegou que pretendia usar o documento do tal João para abrir a conta para obter o talonário e sair dando golpe no comércio local e nas cidades da região, caso desse certo.

Após a pesquisa de antecedentes criminais, a polícia apurou que ele tem várias passagens e é acusado de crimes de estelionato na região. E que o verdadeiro dono do documento em nome de JdosSF, até sexta-feira não havia sido localizado. Sobre os dois que abriram as contas e sacaram o dinheiro, a polícia também não os localizaram, mas as investigações continuam.

Como, no caso dele, não existiu a efetivação do golpe, ele foi liberado, mas, deverá enfrentar a Justiça, pois o delegado João Luiz de Almeida lavrou um Termo Circunstanciado de Ocorrência Policial, baseado no artigo 308 do Código Penal “Usar, como próprio, passaporte, título de eleitor, caderneta de reservista ou qualquer documento de identidade alheia ou ceder a outrem, para que dele se utilize, documento dessa natureza, próprio ou de terceiro: Pena – detenção, de 4 (quatro) meses a 2 (dois) anos, e multa, se o fato não constitui elemento de crime mais grave”.

Além disso, determinou perícias nos documentos apresentados e nos dois aparelhos celulares danificados, para verificar o teor de comunicação feio através dos aparelhos telefônicos.
 
Sobre o uso de iniciais e não o nome completo, bem como os demais dados que possam identificar o autor dessa tentativa, o Itaponews esclarece que optou por não divulga-los, para, eventualmente não ter de enfrentar também a Justiça, num possível processo de Danos Morais, mesmo sabendo que se trata de um indivíduo que  já teve várias passagens pela Polícia e enfrenta a Justiça em vários processos nos quais ele é acusado de estelionato.

Agora, para que a principal vítima desse tipo de golpe, neste caso o Banco do Brasil e seus acionistas não venham a ter uns trocados a menos na distribuição dos dividendos, seria bom que adotassem aquela postura justa do personagem de TV , Severino “Quebra Galho”, que inicialmente alegava ao diretor que o negócio dele era portaria: “Doutor, meu negócio é cara/crachá…cara/crachá….´ 
 

Compartilhar

Notícias relacionadas