Governo do Estado desocupa Cadeia Pública de São Roque

cadeia públicaO governador Geraldo Alckmin participou nesta quarta-feira, 3, da cerimônia que marcou a desocupação da Cadeia Pública de São Roque. A desocupação faz parte do plano de expansão das unidades prisionais que vai esvaziar as cadeias do Estado. Esta é a 30ª desocupação desde 2011. Hoje, 2,55% da população carcerária do Estado está em cadeias públicas.

Em 2000 era um total de 35%. Segundo o governador, a meta do Estado é zerar o número de presos em delegacias em todo o Estado até o início de 2014, o que vai melhorar o trabalho dos policiais civis. "É um grande ganho para a população, pois tira o preso do centro da cidade e melhora a eficiência da polícia", ressaltou Alckmin.

Com a desocupação, a Cadeia Pública de São Roque se transformará em um local de trânsito para abrigar presos em caráter temporário até que a transferência para uma penitenciária seja feita.
A desocupação começou em 20 de março deste ano. Os presos foram transferidos para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Capela do Alto, de responsabilidade da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP).

A desocupação das cadeias públicas e carceragens contribui para melhorar a investigação policial e o atendimento prestado à população nos distritos, na medida em que mais policiais civis são desobrigados de cuidar da guarda dos presos.

De 2011 a 2012, foram desocupadas 29 cadeias públicas – 19 em 2011 e 10 no ano passado. Com isso, houve uma redução do número de presos sob custódia da Secretaria da Segurança Pública que, em 2010, respondia por 7.241 detentos e, atualmente, possui 5.205 presos.

Em 2000, o Estado de São Paulo tinha uma população carcerária de 92.186 presos; desse total, 35%, ou 32.319 detentos, estava em cadeias públicas. Hoje, essa quantidade caiu para 2,55% – são 5.205 presos em cadeias públicas de uma população carcerária de 203.645 detentos.

Compartilhar

Notícias relacionadas