Hidrovia Tietê-Paraná: Dilma e Alckmim assinam protocolo

hidrovia-tietc3aa-paranc3a1A presidenta Dilma Rousseff e o governador de São Paulo Geraldo Alckmim lançaram nesta terça-feira (13/9) a pedra fundamental do Estaleiro Rio Tietê, em Araçatuba (SP) e assinaram protocolo de intenções para investimentos em obras da Hidrovia Tietê-Paraná. A celebração dos atos ocorreu às 11h no Parque Portuário de Araçatuba.

Com um investimento de R$ 432,3 milhões para embarcações, o Estaleiro Rio Tietê pretende construir 80 barcaças e 20 empurradores, formando assim 20 comboios (quatro barcaças e um empurrador cada) com capacidade de transporte de 7,6 milhões de litros cada. De acordo com a Transpetro, cada comboio tem a mesma capacidade de carga de 172 carretas ou de 86 vagões ferroviários, sendo que o transporte hidroviário emite um quarto do gás carbônico e consome vinte vezes menos combustível do que o rodoviário, se comparados a uma mesma carga e distância.

As primeiras embarcações do Estaleiro devem ser entregues em 2012, iniciando sua operação em 2013, e, quando em plena operação (2015), os comboios devem realizar transportes de cargas equivalentes à cerca de 80 mil viagens de caminhão por ano.

Segundo a Transpetro, foram investidos R$ 40 milhões na construção do Estaleiro Rio Tietê, que gerará cerca de 500 empregos diretos e dois mil indiretos em Araçatuba.

Hidrovia Tietê-Paraná – Com a assinatura do protocolo de intenções, a Presidenta Dilma Roussef autoriza a liberação de mais de R$ 1,5 bilhão, sendo R$ 900 milhões oriundos do PAC 2, para a implantação do projeto de modernização e ampliação da Hidrovia Tietê-Paraná.

Segundo o governo do estado de São Paulo, as obras do projeto serão realizadas entre 2011 e 2014 e contemplarão cerca de 800 km do trecho paulista da Hidrovia. O programa tem como objetivo a eliminação de gargalos, com a ampliação de vãos de pontes, melhoria nas eclusas e retificação e dragagem de canais.

Algumas das ações previstas para o projeto são: a construção das barragens de Santa Maria da Serra e do município de Anhembi; ampliação de quatro pontes (SP-333, SP-425, Ferrovia Ayrosa Galvão e SP-595), que reduzirá a viagem em até duas horas por ponte e diminuirá em cerca de 20% os custos de transportes; modernização dos terminais hidroviários de Araçatuba e de Rubinéia; substituição das pontes na SP-191 por pontes estaiadas; serviços de dragagem e retificação dos canais de Conchas, Anhembi, Botucatu, Igaraçu do Tietê, Ibitinga e Promissão; melhorias na infraestrutura das eclusas de Bariri, Ibitinga, Promissão, Nova Avanhandava e Três Irmãos; entre outros. A expectativa é que essas ações atraiam para a Hidrovia o transporte de cerca de 11,5 milhões de toneladas, que significam o triplo da movimentação atual.

A Tietê-Paraná compreende uma extensão de 2400 km e conecta cinco dos maiores estados produtores de grãos do Brasil – Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Paraná. No ano de 2010, passaram pela Hidrovia cerca de 5,776 milhões de toneladas de cargas como milho, soja, óleo, madeira, carvão e adubo. (Com a Assessoria de imprensa
Transpetro/Secretaria Estadual de Logística e Transportes de São Paulo)

Compartilhar

Notícias relacionadas