Em Botucatu, cerca de 2 mil abraçam Hospital Sorocabana para comemorar posse da prefeitura

No último sábado (6), em torno de 2 mil pessoas participaram do ato público que marcou a posse pela Prefeitura do prédio do Hospital Sorocabana, na Vila dos Lavradores. O imóvel, que se encontra fechado, foi desapropriado pelo município e a perspectiva é que a unidade hospitalar volte a prestar atendimento através do

 SUS (Sistema Único de Saúde) em meados de outubro.
 
 

O dia de céu azul e sol forte colaborou para que famílias inteiras participassem da festa que foi recheada de atrações, com direito a tenda da alegria, brinquedos infláveis, apresentação da Corporação Musical Damião Pinheiro Machado e do Grupo Atrupelados com mágico, malabares, música e palhaços.

O evento reuniu moradores da Vila dos Lavradores, ex-funcionários do hospital, ferroviários, representantes de associações de moradores, entidades e partidos políticos. O ponto alto aconteceu no momento em que o público presente deu as mãos e promoveu um abraço simbólico em torno do prédio do hospital. 

Em seguida, o pastor Eduardo Faria, da Igreja Presbiteriana Jardim Paraíso e o padre José Lorusso, pároco da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus fizeram a benção ecumênica das instalações que agora fazem parte do patrimônio da Prefeitura. Muito feliz e emocionada, a técnica de enfermagem Sandra Jecov, que por 15 anos trabalhou na área de ortopedia do Sorocabana, falou em nome dos ex-funcionários e passou às mãos do prefeito João Cury Neto a chave do prédio.

Representando Orlando de Almeida, presidente da Federação dos Aposentados e Pensionistas do Estado de São Paulo e a Associação dos Ferroviários Aposentados e Pensionistas de Botucatu, o ex-diretor do Hospital Sorocabana, Romeu Francisco Henriques, fez um discurso emocionado, lembrando as dificuldades enfrentadas ao longo do tempo e enalteceu a coragem do prefeito ao decidir pela compra do prédio.

O vice-prefeito e secretário de Saúde, Antônio Luiz Caldas Júnior destacou a transparência com que a administração municipal conduziu todo o processo e a complexidade para se chegar a solução da grave crise que atingia o hospital. “Para aqueles que não acreditavam, respondemos com ações, com fatos. Há um trecho da Bíblia que diz que há tempo de semear e há tempo para colher. Hoje é um dia para comemorar”. 

Em seu pronunciamento, o prefeito João Cury enfatizou que a presença da população no evento era mais do que justa já que os recursos para compra do prédio do hospital vieram do pagamento de impostos de cada botucatuense. E deixou claro que o desfecho só foi positivo porque foi construído de forma coletiva.

“Esse hospital foi comprado com dinheiro do povo e nada mais justo do que voltar às mãos do povo de Botucatu. Hoje é dia de comemoração mas não de acomodação. Vencemos uma grande etapa que precisa ser comemorada, sim. Nós temos que abraçar esse hospital para demonstrar o carinho que temos por ele. Para demonstrar o respeito que temos pelos ferroviários que dedicaram dias de trabalho para construir esse prédio. Hoje é um dia de agradecimentos. Uma ação como essa jamais daria certo se fosse uma ação isolada do prefeito. Não tem como fazer um trabalho desse sozinho. Não tem como comprar um hospital, articular quem vai tocá-lo e fazer tudo que tem que ser feito de forma isolada. Por isso quero render minhas homenagens a todos que trabalharam por isso”.

No encerramento do evento, João Cury e Caldas adentraram o prédio do Sorocabana, sendo aplaudidos pelos ex-funcionários do hospital.  

Conquista – No último dia 28 de julho o juiz Alfredo Gehring Cardoso Falchi Fonseca concedeu liminar que garante a imissão na posse do imóvel à Prefeitura na ação de desapropriação por utilidade pública ajuizada contra a Associação Beneficente dos Hospitais Sorocabana (ABHS). O despacho possibilitou ao município ocupar imediatamente as instalações da unidade hospitalar que hoje se encontra fechada na Vila dos Lavradores.

O depósito de R$ 1.100.000,00 já foi efetuado pelo Poder Público e supera o valor venal do imóvel que alcança o montante de R$ 1.058.430,66. O dinheiro foi depositado diretamente na conta da ação judicial movida pelos funcionários do hospital que foram demitidos a fim de garantir a todos eles o recebimento das verbas rescisórias.

A Prefeitura, em parceria com a Autarquia do Hospital das Clínicas, já trabalha na elaboração de um plano de ocupação do prédio. A gestão será compartilhada entre o município e o Estado. A perspectiva é que o hospital volte a oferecer atendimento gratuito em várias especialidades. Também está programada a instalação no local do primeiro Pronto Socorro Infantil da cidade.

“Nossa expectativa é que rapidamente possamos fazer as adaptações necessárias e no início de outubro tenhamos esse hospital funcionando a pleno vapor, numa gestão compartilhada entre a Prefeitura e o Governo do Estado, por meio da autarquia do HC de Botucatu e interveniência da Famesp na gestão de pessoal”, declara o prefeito João Cury.

Outra boa notícia é a confirmação que os 108 funcionários demitidos poderão ser contratados pela Famesp, por prazo determinado, até que seja aberto concurso público para as admissões em caráter definitivo. (Da Secretaria Municipal de Comunicação de Botucatu) 
 

 

Compartilhar

Notícias relacionadas