Itapeva faz palestra sobre violência contra a pessoa idosa

Além da violência física existem a psicológica, a sexual, a financeira e também a negligência – A psicóloga Salma Melo e a agente de proteção Elaine Guimarães reuniram os idosos no CRAS Cantinho das Famílias, da Vila Nova, na tarde desta quinta-feira, 18, para uma palestra sobre o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa – 15 de junho.

Na ocasião, elas explicaram ao Grupo da Terceira Idade os vários tipos de violência a que estão expostas as pessoas idosas, tais como psicológica (agressões verbais ou gestuais com o objetivo de aterrorizar, humilhar, restringir a liberdade ou isolar do convívio social), sexual (toque sensual indesejado ou obrigar a atos sexuais), financeira (fraude, roubo, mau uso do dinheiro ou da propriedade, ou intimidar o idoso a fim de obter acesso a seus fundos ou propriedades) e negligência (deixar os idosos sem alimentos, abrigo adequado ou sem alguém para cuidar dele).

As profissionais alertaram aos presentes sobre a importância de repassar essas informações para seus conhecidos, pois os idosos têm direitos e precisam ser respeitados. Elas informaram ainda que o CREAS – Centro de Referência Especializado de Assistência Social recebe denúncias de maus tratos aos idosos pelos telefones 3521 1938 ou 3521 4612, que podem ser feitas sem que a pessoa precise se identificar.

O Disque 100 é um serviço de utilidade pública da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), vinculado a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, destinado a receber demandas relativas a violações de Direitos Humanos, em especial as que atingem populações em vulnerabilidade.
Funciona diariamente, 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados e as ligações podem ser feitas de todo o Brasil por meio de discagem direta e gratuita, de qualquer terminal telefônico fixo ou móvel, bastando discar 100. As denúncias podem ser anônimas, e o sigilo das informações é garantido, quando solicitado.

As denúncias recebidas são analisadas e encaminhadas aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização em direitos humanos, no prazo máximo de 24 horas, respeitando a competência e as atribuições específicas, porém priorizando qual órgão intervirá de forma imediata no rompimento do ciclo de violência e proteção da vítima.

Eliana Chueri – Agente de Relação e Comunicação Social da Prefeitura de Itapeva-SP

Compartilhar

Notícias relacionadas